Mostrando postagens com marcador livros. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador livros. Mostrar todas as postagens
“A Máfia Médica” é o título do livro que custou à doutora canadiana Ghislaine Lanctot a sua expulsão do colégio de médicos e a retirada da sua licença para exercer medicina.

Trata-se provavelmente da denuncia, publicada, mais completa, integral, explícita e clara do papel que forma, a nível mundial, o complot formado pelo Sistema Sanitário e pela Industria Farmacêutica.
O livro expõe, por um lado, a errônea concepção da saúde e da enfermidade, que tem a sociedade ocidental moderna, fomentada por esta máfia médica que monopolizou a saúde pública criando o mais lucrativo dos negócios.

Para além de falar sobre a verdadeira natureza das enfermidades, explica como as grandes empresas farmacêuticas controlam não só a investigação, mas também a docência médica, e como se criou um Sistema Sanitário baseado na enfermidade em vez da saúde, que cronifica enfermidades e mantém os cidadãos ignorantes e dependentes dele. O livro é pura artilharia pesada contra todos os medos e mentiras que destroem a nossa saúde e a nossa capacidade de auto-regulação natural, tornando-nos manipuláveis e completamente dependentes do sistema.

Caso queira ler a entrevista dada pela Dra. Guylaine Lanctot a Laura Jimeno Muñoz para a "Discovery Salud"
http://filosofiaimortal.blogspot.pt/2012/04/mafia-medica.html

Para fazer download do arquivo em PDF.
Dra: Ghislaine Lanctot sobre Máfia Médica em PDF



Fontes: Movimetno Democracia Directa , Qual Caminho Seguir , Notícias Naturais

Documentário/Livro: A Máfia médica

“A Máfia Médica” é o título do livro que custou à doutora canadiana Ghislaine Lanctot a sua expulsão do colégio de médicos e a retirada da sua licença para exercer medicina.

Trata-se provavelmente da denuncia, publicada, mais completa, integral, explícita e clara do papel que forma, a nível mundial, o complot formado pelo Sistema Sanitário e pela Industria Farmacêutica.
O livro expõe, por um lado, a errônea concepção da saúde e da enfermidade, que tem a sociedade ocidental moderna, fomentada por esta máfia médica que monopolizou a saúde pública criando o mais lucrativo dos negócios.

Para além de falar sobre a verdadeira natureza das enfermidades, explica como as grandes empresas farmacêuticas controlam não só a investigação, mas também a docência médica, e como se criou um Sistema Sanitário baseado na enfermidade em vez da saúde, que cronifica enfermidades e mantém os cidadãos ignorantes e dependentes dele. O livro é pura artilharia pesada contra todos os medos e mentiras que destroem a nossa saúde e a nossa capacidade de auto-regulação natural, tornando-nos manipuláveis e completamente dependentes do sistema.

Caso queira ler a entrevista dada pela Dra. Guylaine Lanctot a Laura Jimeno Muñoz para a "Discovery Salud"
http://filosofiaimortal.blogspot.pt/2012/04/mafia-medica.html

Para fazer download do arquivo em PDF.
Dra: Ghislaine Lanctot sobre Máfia Médica em PDF



Fontes: Movimetno Democracia Directa , Qual Caminho Seguir , Notícias Naturais

Em uma aná­lise de livros mais bai­xa­dos na inter­net - um dos que figura como cam­peão de down­load é o mani­festo nazista de Hitler cha­mado “Mein Kampf”(Minha Luta) já foi bai­xado mais de 100 mil vezes.

O livro foi publi­cado em 1925 e desde então tem influ­en­ci­ado pes­soas do mundo inteiro com suas ide­o­lo­gias publi­ca­das no livro.

À nova popu­la­ri­dade do “best sel­ler” é expli­cado pela mudança de pla­ta­forma — o “Mein Kampf” agora pode ser con­su­mido na pri­va­ci­dade de iPads, Kin­dles e outros tablets.

De acordo com infor­ma­ções do site Voca­tiv, pelo menos uma dúzia de ver­sões em PDF do livro em inglês encontram-​se dis­po­ní­veis de graça na inter­net. Ver­sões pagas tam­bém podem ser encon­tra­das em livra­rias online.
Fonte da Ima­gem: Repro­du­ção /​Ama­zon
No site da Ama​zon​.com, por exem­plo, uma ver­são de US$ 0,99 atin­giu o número 1 entre os mais ven­di­dos da lista de “Pro­pa­ganda & Psi­co­lo­gia Polí­tica” da rede.

Ver­sões do ebook tam­bém podem ser encon­tra­das em sites brasileiros

Fonte da Ima­gem: Repro­du­ção /​Ama­zon
“As ven­das estão óti­mas”, disse ao site Voca­tiv o publisher Michael Ford, da Elite Minds , selo que edita a obra. Ele, con­tudo, reco­nhece o “dilema moral” de pro­mo­ver um livro que pode ser “usado de maneira errada”.

Eu não pro­movi exces­si­va­mente o livro. Decidi, na maior parte, deixá-​lo se espa­lhar entre os lei­to­res que têm um ver­da­deiro e natu­ral inte­resse his­tó­rico e aca­dê­mico, afir­mou Ford.

Pode pas­sar o tempo que for que sem dúvi­das o “mani­festo” de Hitler vai trans­cen­der as eras mos­trando como o mundo está pre­pa­rado para a mudança da Nova Ordem Mun­dial.


Fontes: Os Illu­mi­nati , UOL



Ter­ror con­ti­nua — Livro de Hitler “Mein Kampf” é sucesso na Web

Em uma aná­lise de livros mais bai­xa­dos na inter­net - um dos que figura como cam­peão de down­load é o mani­festo nazista de Hitler cha­mado “Mein Kampf”(Minha Luta) já foi bai­xado mais de 100 mil vezes.

O livro foi publi­cado em 1925 e desde então tem influ­en­ci­ado pes­soas do mundo inteiro com suas ide­o­lo­gias publi­ca­das no livro.

À nova popu­la­ri­dade do “best sel­ler” é expli­cado pela mudança de pla­ta­forma — o “Mein Kampf” agora pode ser con­su­mido na pri­va­ci­dade de iPads, Kin­dles e outros tablets.

De acordo com infor­ma­ções do site Voca­tiv, pelo menos uma dúzia de ver­sões em PDF do livro em inglês encontram-​se dis­po­ní­veis de graça na inter­net. Ver­sões pagas tam­bém podem ser encon­tra­das em livra­rias online.
Fonte da Ima­gem: Repro­du­ção /​Ama­zon
No site da Ama​zon​.com, por exem­plo, uma ver­são de US$ 0,99 atin­giu o número 1 entre os mais ven­di­dos da lista de “Pro­pa­ganda & Psi­co­lo­gia Polí­tica” da rede.

Ver­sões do ebook tam­bém podem ser encon­tra­das em sites brasileiros

Fonte da Ima­gem: Repro­du­ção /​Ama­zon
“As ven­das estão óti­mas”, disse ao site Voca­tiv o publisher Michael Ford, da Elite Minds , selo que edita a obra. Ele, con­tudo, reco­nhece o “dilema moral” de pro­mo­ver um livro que pode ser “usado de maneira errada”.

Eu não pro­movi exces­si­va­mente o livro. Decidi, na maior parte, deixá-​lo se espa­lhar entre os lei­to­res que têm um ver­da­deiro e natu­ral inte­resse his­tó­rico e aca­dê­mico, afir­mou Ford.

Pode pas­sar o tempo que for que sem dúvi­das o “mani­festo” de Hitler vai trans­cen­der as eras mos­trando como o mundo está pre­pa­rado para a mudança da Nova Ordem Mun­dial.


Fontes: Os Illu­mi­nati , UOL




O Fabio Blanco é um advogado e teólogo que publica no Mídia Sem Máscara e no seu site pessoal, o Discursos de Cadeira (www.fabioblanco.com.br). Seus textos são sempre precisos e se destacam entre os mais importantes quando o assunto é Nova Ordem Mundial, Revolução Cultural, defesa da tradição ocidental etc.

Leiam, por favor. Ele entendeu perfeitamente a essência e os objetivos do meu livro.

:::

Um livro, quando traz em seu título a palavra Introdução, pode tratar-se de três coisas: que é um livro superficial e o autor escolhe esse nome para não decepcionar seus leitores; que é um livro que trata o tema com profundidade, mas o autor escolhe esse nome por acreditar que seria possível aprofundar-se ainda mais, mas não o fez por falta de espaço ou tempo; ou, simplesmente, que o livro tem o intuito de ser mesmo uma introdução, ou seja, a entrada para estudos posteriores mais detalhados.

No caso do livro de Alexandre Costa, Introdução à Nova Ordem Mundial, certamente trata-se do terceiro caso. A obra é como um portal que conduz o leitor a uma gama considerável de informações relativas às diversas facetas que o “mundo novo” tem apresentado. Sem a pretensão de esgotar o assunto, o livro torna-se imprescindível exatamente por servir como um trabalho inaugural para quem deseja iniciar seus estudos na área.

Se você nunca leu nada sobre o tema, aconselho: comece por este livro. No final, você terá uma visão bem ampla e bem estruturada sobre os rumos do “novo mundo”. Se você, porém, já leu algum outro livro sobre o assunto, leia este também, pois, apesar de ser uma obra de introdução, ela está tão bem organizada que lhe ajudará a colocar em ordem as ideias que talvez, até aqui, apenas fossem um amontoado de informações.

A influência de Olavo de Carvalho é inegável. Alexandre Costa não esconde em nenhum momento a dívida que tem para com o pensamento do filósofo. Aliás, quem desta nova geração de estudiosos conservadores pode negá-la? Ainda assim, consegue ser autêntico em seu trabalho, imprimindo sua forma de enxergar os dados que colheu em, certamente, um tempo considerável de pesquisa.

O que podemos ver, portanto, é o trabalho pedagógico do filósofo sessentão já começando a produzir seus frutos. Seu aluno deixou à disposição dos leitores um bom material de pesquisa, que facilmente pode ser utilizado em palestras e seminários sobre o assunto. Introdução à Nova Ordem Mundial preenche uma lacuna nas prateleiras brasileiras. Não que a matéria já não houvesse sido tratada por outros autores, mas faltava um trabalho que pudesse ser considerado didático, realmente introdutório e, acima de tudo, abrangente.

O livro, de fato, terá um lugar especial em minha biblioteca, pois será objeto de consulta constante quando eu tiver tratando do tema Nova Ordem Mundial.

Fabio Blanco

(Este texto foi publicado no site do autor, Discursos de Cadeira, no Mídia Sem Máscara, e replicado em vários outros.)

Fonte: Ordem Natural

Introdução à Nova Ordem Mundial - por Fábio Blanco

O Fabio Blanco é um advogado e teólogo que publica no Mídia Sem Máscara e no seu site pessoal, o Discursos de Cadeira (www.fabioblanco.com.br). Seus textos são sempre precisos e se destacam entre os mais importantes quando o assunto é Nova Ordem Mundial, Revolução Cultural, defesa da tradição ocidental etc.

Leiam, por favor. Ele entendeu perfeitamente a essência e os objetivos do meu livro.

:::

Um livro, quando traz em seu título a palavra Introdução, pode tratar-se de três coisas: que é um livro superficial e o autor escolhe esse nome para não decepcionar seus leitores; que é um livro que trata o tema com profundidade, mas o autor escolhe esse nome por acreditar que seria possível aprofundar-se ainda mais, mas não o fez por falta de espaço ou tempo; ou, simplesmente, que o livro tem o intuito de ser mesmo uma introdução, ou seja, a entrada para estudos posteriores mais detalhados.

No caso do livro de Alexandre Costa, Introdução à Nova Ordem Mundial, certamente trata-se do terceiro caso. A obra é como um portal que conduz o leitor a uma gama considerável de informações relativas às diversas facetas que o “mundo novo” tem apresentado. Sem a pretensão de esgotar o assunto, o livro torna-se imprescindível exatamente por servir como um trabalho inaugural para quem deseja iniciar seus estudos na área.

Se você nunca leu nada sobre o tema, aconselho: comece por este livro. No final, você terá uma visão bem ampla e bem estruturada sobre os rumos do “novo mundo”. Se você, porém, já leu algum outro livro sobre o assunto, leia este também, pois, apesar de ser uma obra de introdução, ela está tão bem organizada que lhe ajudará a colocar em ordem as ideias que talvez, até aqui, apenas fossem um amontoado de informações.

A influência de Olavo de Carvalho é inegável. Alexandre Costa não esconde em nenhum momento a dívida que tem para com o pensamento do filósofo. Aliás, quem desta nova geração de estudiosos conservadores pode negá-la? Ainda assim, consegue ser autêntico em seu trabalho, imprimindo sua forma de enxergar os dados que colheu em, certamente, um tempo considerável de pesquisa.

O que podemos ver, portanto, é o trabalho pedagógico do filósofo sessentão já começando a produzir seus frutos. Seu aluno deixou à disposição dos leitores um bom material de pesquisa, que facilmente pode ser utilizado em palestras e seminários sobre o assunto. Introdução à Nova Ordem Mundial preenche uma lacuna nas prateleiras brasileiras. Não que a matéria já não houvesse sido tratada por outros autores, mas faltava um trabalho que pudesse ser considerado didático, realmente introdutório e, acima de tudo, abrangente.

O livro, de fato, terá um lugar especial em minha biblioteca, pois será objeto de consulta constante quando eu tiver tratando do tema Nova Ordem Mundial.

Fabio Blanco

(Este texto foi publicado no site do autor, Discursos de Cadeira, no Mídia Sem Máscara, e replicado em vários outros.)

Fonte: Ordem Natural

O cérebro privilegiado de Huxley e sua viva imaginação produziram nesta obra prima uma visão de um futuro surpreendente e ameaçador, onde a aspiração de simplificar e estabilizar um mundo novo, o culto à máquina e à racionalização, criam uma humanidade que não conhece o esforço nem a dor, mas que suprime também o amor, as emoções e até mesmo a liberdade. Daí um tremendo e trágico contraste entre a Utopia e a Realidade.

Uma das ações que mantêm a humanidade em movimento é a busca pela compreensão de si mesma. O ser humano quer saber quem é, quer a resposta às proposições básicas: de onde venho?, quem sou? e pra onde vou? Tal busca nos impele, nos toca no íntimo, nos comove. E o que nos comove é aquilo que nos move. Ao longo de toda história humana, a arte tem sido a expressão mais perceptível dessa busca, por isso ela nos toca e nos comove.

A literatura é uma das mais abrangentes formas dessa expressão, e muitos autores fizeram dela veículo de suas inquietações.

Em Admirável Mundo Novo, escrito na década de 30, Aldous Huxley (1894-1963), cria uma obra de ficção onde questiona o direcionamento que a civilização moderna está dando a si mesma, caminhando em direção à completa mediocridade, ao artificialismo, à sublimação dos sentimentos, à banalização dos relacionamentos, à desvalorização dos aspectos humanos, numa sociedade em que tudo se resolve com um comprimido de meio grama de soma, a droga redentora da civilização moderna – “cristianismo sem lágrimas” – na definição dos personagens do livro. Admirável Mundo Novo é uma sátira da sociedade moderna, muito mais do que obra profética.

A sociedade que emerge das páginas do romance de Huxley é uma sociedade completamente destituída de valores humanos em que as pessoas são produtos de uma linha de montagem em que são clonadas e tratadas como meras peças de reposição para a manutenção de um sistema global asséptico e totalmente artificializado. Condição alcançada em função de pseudos avanços e conquistas da ciência. Huxley aborda assim, uma questão que sempre esteve atrelada às conquistas científicas: o medo de sua utilização desvirtuada pelo poder dominante. Esse tema, aliás, é fonte de origem para várias distopias famosas na literatura universal, notadamente no ramo da literatura denominado science fiction.

Sinopse

Ano 634 df (depois de Ford). O Estado científico totalitário zela por todos. Nascidos de proveta, os seres humanos (pré-condicionados) têm comportamentos (pré-estabelecidos) e ocupam lugares (pré-determinados) na sociedade- os alfa no topo da pirâmide, os ípsilons na base. A droga soma é universalmente distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade e pensamento criativo constituem crime. Os conceitos de 'pai' e 'mãe' são meramente históricos. Relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e considerados anormais. A promiscuidade é moralmente obrigatória e a higiene, um valor supremo. Não existe paixão nem religião. Mas Bernard Marx tem uma infelicidade doentia- acalentando um desejo não natural por solidão, não vendo mais graça nos prazeres infinitos da promiscuidade compulsória, Bernard quer se libertar. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo.

Clique aqui para baixar o livro em PDF

Fontes: Visão Apocalíptica , O Mundo é Um Palco

Admirável Mundo Novo - Livro em PDF

O cérebro privilegiado de Huxley e sua viva imaginação produziram nesta obra prima uma visão de um futuro surpreendente e ameaçador, onde a aspiração de simplificar e estabilizar um mundo novo, o culto à máquina e à racionalização, criam uma humanidade que não conhece o esforço nem a dor, mas que suprime também o amor, as emoções e até mesmo a liberdade. Daí um tremendo e trágico contraste entre a Utopia e a Realidade.

Uma das ações que mantêm a humanidade em movimento é a busca pela compreensão de si mesma. O ser humano quer saber quem é, quer a resposta às proposições básicas: de onde venho?, quem sou? e pra onde vou? Tal busca nos impele, nos toca no íntimo, nos comove. E o que nos comove é aquilo que nos move. Ao longo de toda história humana, a arte tem sido a expressão mais perceptível dessa busca, por isso ela nos toca e nos comove.

A literatura é uma das mais abrangentes formas dessa expressão, e muitos autores fizeram dela veículo de suas inquietações.

Em Admirável Mundo Novo, escrito na década de 30, Aldous Huxley (1894-1963), cria uma obra de ficção onde questiona o direcionamento que a civilização moderna está dando a si mesma, caminhando em direção à completa mediocridade, ao artificialismo, à sublimação dos sentimentos, à banalização dos relacionamentos, à desvalorização dos aspectos humanos, numa sociedade em que tudo se resolve com um comprimido de meio grama de soma, a droga redentora da civilização moderna – “cristianismo sem lágrimas” – na definição dos personagens do livro. Admirável Mundo Novo é uma sátira da sociedade moderna, muito mais do que obra profética.

A sociedade que emerge das páginas do romance de Huxley é uma sociedade completamente destituída de valores humanos em que as pessoas são produtos de uma linha de montagem em que são clonadas e tratadas como meras peças de reposição para a manutenção de um sistema global asséptico e totalmente artificializado. Condição alcançada em função de pseudos avanços e conquistas da ciência. Huxley aborda assim, uma questão que sempre esteve atrelada às conquistas científicas: o medo de sua utilização desvirtuada pelo poder dominante. Esse tema, aliás, é fonte de origem para várias distopias famosas na literatura universal, notadamente no ramo da literatura denominado science fiction.

Sinopse

Ano 634 df (depois de Ford). O Estado científico totalitário zela por todos. Nascidos de proveta, os seres humanos (pré-condicionados) têm comportamentos (pré-estabelecidos) e ocupam lugares (pré-determinados) na sociedade- os alfa no topo da pirâmide, os ípsilons na base. A droga soma é universalmente distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade e pensamento criativo constituem crime. Os conceitos de 'pai' e 'mãe' são meramente históricos. Relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e considerados anormais. A promiscuidade é moralmente obrigatória e a higiene, um valor supremo. Não existe paixão nem religião. Mas Bernard Marx tem uma infelicidade doentia- acalentando um desejo não natural por solidão, não vendo mais graça nos prazeres infinitos da promiscuidade compulsória, Bernard quer se libertar. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo.

Clique aqui para baixar o livro em PDF

Fontes: Visão Apocalíptica , O Mundo é Um Palco

ADRIANA CHAVES  colaboração para a Livraria da Folha
 
Casos recentes de pedofilia envolvendo padres voltaram a colocar o Vaticano no centro das atenções, mas as polêmicas e o silêncio acompanham a Igreja Católica há séculos.

Em "O Mundo Secreto dos Papas", Eric Frattini consegue explicar de forma direta e em poucas palavras o conteúdo de enormes tratados que só estão ao alcance de estudiosos.

O autor utiliza um estilo com perguntas e respostas para revelar o mundo misterioso do Vaticano. Essas intervensões revelam de uma maneira didática, criativa e, por vezes, bem humorada, as histórias da maior instituição religiosa do mundo. Revelando casos de São Pedro a Bento 16, a obra mostra a pessoas de qualquer credo o universo por trás da instituição.

Conspirações, torturas e assassinatos
 
Outro livro que aborda o tema é "A História Secreta dos Papas", com pontífices ligados a conspirações e episódios assustadores de bruxarias e até de assassinatos em mais de 2.000 anos de existência dessa instituição. Apesar do tema árido, Ralph Lewis consegue conduzir o texto de forma divertida e curiosa e com belas ilustrações.

Entre as histórias sinistras está a do Sínodo do Cadáver, em que o bondoso -e já morto-papa Formoso foi desenterrado, julgado por seu sucessor, Estevão 7º, e jogado no rio Tibre. Já João 12º castrou um de seus cardeais, cegou outro e chegou a brindar ao demônio em um de seus bacanais.
Detalhes da Inquisição, destacando o drama de algumas das mais célebres vítimas. É o caso de Galileu Galilei, que só conseguiu escapar da morte porque foi obrigado a negar publicamente seus ideais. Ainda assim, o cientista foi mantido em prisão domiciliar e morreu de forma deprimente.


Fontes: Folha , Diário Link

Livros quebram silêncio e expõem papas metidos em bruxarias e assassinatos

ADRIANA CHAVES  colaboração para a Livraria da Folha
 
Casos recentes de pedofilia envolvendo padres voltaram a colocar o Vaticano no centro das atenções, mas as polêmicas e o silêncio acompanham a Igreja Católica há séculos.

Em "O Mundo Secreto dos Papas", Eric Frattini consegue explicar de forma direta e em poucas palavras o conteúdo de enormes tratados que só estão ao alcance de estudiosos.

O autor utiliza um estilo com perguntas e respostas para revelar o mundo misterioso do Vaticano. Essas intervensões revelam de uma maneira didática, criativa e, por vezes, bem humorada, as histórias da maior instituição religiosa do mundo. Revelando casos de São Pedro a Bento 16, a obra mostra a pessoas de qualquer credo o universo por trás da instituição.

Conspirações, torturas e assassinatos
 
Outro livro que aborda o tema é "A História Secreta dos Papas", com pontífices ligados a conspirações e episódios assustadores de bruxarias e até de assassinatos em mais de 2.000 anos de existência dessa instituição. Apesar do tema árido, Ralph Lewis consegue conduzir o texto de forma divertida e curiosa e com belas ilustrações.

Entre as histórias sinistras está a do Sínodo do Cadáver, em que o bondoso -e já morto-papa Formoso foi desenterrado, julgado por seu sucessor, Estevão 7º, e jogado no rio Tibre. Já João 12º castrou um de seus cardeais, cegou outro e chegou a brindar ao demônio em um de seus bacanais.
Detalhes da Inquisição, destacando o drama de algumas das mais célebres vítimas. É o caso de Galileu Galilei, que só conseguiu escapar da morte porque foi obrigado a negar publicamente seus ideais. Ainda assim, o cientista foi mantido em prisão domiciliar e morreu de forma deprimente.


Fontes: Folha , Diário Link

Aldous Huxley, autor de "Admirável Mundo Novo", e irmão de Julian Huxley (que esteve envolvido em projetos médicos, com propósitos de redução populacional, como esterilização e larga escala), em 1962 pouco antes de morrer, deu um discurso na universidade de Berkeley, admitindo que seu livro o best-seller "Admirável Mundo Novo" escrito em 1932, não estava baseado em ficção, e sim no que a elite estava planejando implementar:

"Aqui eu gostaria de comparar brevemente a parábola de "Admirável Mundo Novo" com outra parábola que foi apresentada mais recentemente, no livro "1984" de George Orwell.

Estou inclinado a pensar que a ditadura científica do futuro, e penso que haverão ditaduras científicas em muitas partes do mundo, terão provavelmente um padrão muito mais próximo de "Admirável Mundo Novo" que do padrão de "1984" e que estará mais perto dele não por intenções humanitárias dos ditadores científicos, mas simplesmente porque o padrão de "Admirável Mundo Novo" é provavelmente mais eficiente que o outro, mas se eles podem fazer as pessoas dar seu consentimento com o estado atual das condições em que estão vivendo, o estado da servidão, o estado do ser.

Bem, me parece que a natureza da última revolução, com a que agora nos enfrentamos, é precisamente isso - estamos no processo de desenvolvimento de uma série de técnicas que proporcionem o controle da oligarquia, que sempre existiu e que presumivelmente sempre existirá, para fazer com que as pessoas na realidade amem ser seus servidores.

As pessoas podem ser treinadas para que desfrutem do estado das coisas, que, sob um padrão decente é suposto que eles não devem desfrutar, e estes métodos, eu penso, que são o aperfeiçoamento dos velhos métodos de terror, porque eles combinam métodos de terror com métodos de aceitação. Bem, logo estão os outros métodos como por exemplo o método farmacológico.

Esta foi uma das coisas das que falei em "Admirável Mundo Novo" e o resultado será esse... Podes imaginar uma euforia que poderá fazer as pessoas completamente felizes, mesmo nas mais abomináveis circunstâncias, me refiro, ao que estas coisas possibilitam."



Fonte: Fórum Anti Nova Ordem Mundial

Aldous Huxley e seu último discurso sobre 'Admirável Mundo Novo'

Aldous Huxley, autor de "Admirável Mundo Novo", e irmão de Julian Huxley (que esteve envolvido em projetos médicos, com propósitos de redução populacional, como esterilização e larga escala), em 1962 pouco antes de morrer, deu um discurso na universidade de Berkeley, admitindo que seu livro o best-seller "Admirável Mundo Novo" escrito em 1932, não estava baseado em ficção, e sim no que a elite estava planejando implementar:

"Aqui eu gostaria de comparar brevemente a parábola de "Admirável Mundo Novo" com outra parábola que foi apresentada mais recentemente, no livro "1984" de George Orwell.

Estou inclinado a pensar que a ditadura científica do futuro, e penso que haverão ditaduras científicas em muitas partes do mundo, terão provavelmente um padrão muito mais próximo de "Admirável Mundo Novo" que do padrão de "1984" e que estará mais perto dele não por intenções humanitárias dos ditadores científicos, mas simplesmente porque o padrão de "Admirável Mundo Novo" é provavelmente mais eficiente que o outro, mas se eles podem fazer as pessoas dar seu consentimento com o estado atual das condições em que estão vivendo, o estado da servidão, o estado do ser.

Bem, me parece que a natureza da última revolução, com a que agora nos enfrentamos, é precisamente isso - estamos no processo de desenvolvimento de uma série de técnicas que proporcionem o controle da oligarquia, que sempre existiu e que presumivelmente sempre existirá, para fazer com que as pessoas na realidade amem ser seus servidores.

As pessoas podem ser treinadas para que desfrutem do estado das coisas, que, sob um padrão decente é suposto que eles não devem desfrutar, e estes métodos, eu penso, que são o aperfeiçoamento dos velhos métodos de terror, porque eles combinam métodos de terror com métodos de aceitação. Bem, logo estão os outros métodos como por exemplo o método farmacológico.

Esta foi uma das coisas das que falei em "Admirável Mundo Novo" e o resultado será esse... Podes imaginar uma euforia que poderá fazer as pessoas completamente felizes, mesmo nas mais abomináveis circunstâncias, me refiro, ao que estas coisas possibilitam."



Fonte: Fórum Anti Nova Ordem Mundial

Artigos relacionados: Filme 1984 - legendado / Documentário sobre o filme 1984

1984 denunciou as mazelas do totalitarismo e tornou-se um dos mais influentes romances do século 20. De modo profético, George Orwell abordou temas relevantes como a quebra da privacidade

É comum a confusão dos leitores com o continente homônimo real. O megabloco imaginado por Orwell tem este nome por ser uma congregração de países de todos os oceanos. A união da Alca (Área de Livre Comércio das Américas), Reino Unido, Sul da África e Austrália não parece estar tão distante da realidade.

E a transformação da realidade é o tema principal de 1984. Disfarçada de democracia, a Oceania vive um totalitarismo desde que o IngSoc (o Partido) chegou ao poder sob a batuta do onipresente Grande Irmão (Big Brother).

Narrado em terceira pessoa, o livro conta a história de Winston Smith, membro do partido externo, funcionário do Ministério da Verdade. A função de Winston é reescrever e alterar dados de acordo com o interesse do Partido. Nada muito diferente de um jornalista ou um historiador. Winston questiona a opressão que o Partido exercia nos cidadãos. Se alguém pensasse diferente, cometia crimidéia (crime de idéia em novilíngua) e fatalmente seria capturado pela Polícia do Pensamento e era vaporizado. Desaparecia.

Inspirado na opressão dos regimes totalitários das décadas de 30 e 40, o livro não se resume a apenas criticar o stalinismo e o nazismo, mas toda a nivelação da sociedade, a redução do indivíduo em peça para servir ao estado ou ao mercado através do controle total, incluindo o pensamento e a redução do idioma. Winstom Smith representa o cidadão-comum vigiado pelas teletelas e pelas diretrizes do Partido. Orwell escolhera este nome na soma da 'homenagem' ao primeiro-ministro Winston Churchill com o uso do sobrenome mais comum na Inglaterra. A obra-prima foi escrita no ano de 1948 e seu titúlo invertido para 1984 por pressão dos editores. A intenção de Orwell era descrever um futuro baseado nos absurdos do presente.

George Orwell foi um dos escritores mais influentes do século XX. Autor de 1984, A Revolução dos Bichos (O Triunfo dos Porcos), Lutando na Espanha e outros importantes livros do século passado, Eric Arthur Blair (seu nome verdadeiro) descreveu em livro todas as suas vivências como guarda na Birmânia ou como professor (A Filha do Reverendo). Sua obra-prima é a distopia (utopia negativa) de 1984, onde Orwell previu um mundo controlado através da tecnologia, onde a novilíngua e o duplipensar estariam presentes.

Informações sobre o Livro


Livro: 1984
Autor: George Orwell (Eric Arthur Blair)
Ano de Publicação: 1949
Classificação: Romance
Título em Portugal: Mil Novecentos e Oitenta e Quatro
Título original: Nineteen Eighty-Four
Resumo: Mais famoso dos romances de George Orwell, 1984 é uma metáfora pessimista do pós-guerra para o futuro da humanidade dominado pelo totalitarismo. Para garantir a manutenção do Partido, os setores mais importantes da sociedade eram controlados pelas Teletelas, sempre sob a onipresença do Grande Irmão.

Personagens de 1984 de George Orwell:
• Winston Smith
• Júlia
• O'Brien
• Grande Irmão (Big Brother)
• Sr. Carrington
• Parsons
• Syme
• Tillotson
• Martin
• Jones
• Rutherford
• Mãe de Winston.

Características de 1984 de George Orwell:
• Novilíngua
• As Teletelas
• Divisão das classes
• O livro de Goldstein

Adaptações para o cinema e tv de 1984 de George Orwell:
Foram realizados quatro filmes baseados na obra-prima de George Orwell. Duas produções para a tv, de 1956 e a de 1965. A primeira versão para o cinema foi em 1956 e a mais recente foi produzida no sugestivo ano de 1984
• 1ª adaptação para a tv em 1954
• 2ª adaptação para a tv em 1965
• 1ª adaptação para o cinema em 1956
• 1ª adaptação para o cinema em 1984

Para quem não tem o livro da vez, estamos disponibilizando-o em formato PDF. Clique aqui para baixar para o seu computador.

Boa leitura!


Fontes: Clube do Livro  , Duplipensar

1984 – Livro em PDF

Artigos relacionados: Filme 1984 - legendado / Documentário sobre o filme 1984

1984 denunciou as mazelas do totalitarismo e tornou-se um dos mais influentes romances do século 20. De modo profético, George Orwell abordou temas relevantes como a quebra da privacidade

É comum a confusão dos leitores com o continente homônimo real. O megabloco imaginado por Orwell tem este nome por ser uma congregração de países de todos os oceanos. A união da Alca (Área de Livre Comércio das Américas), Reino Unido, Sul da África e Austrália não parece estar tão distante da realidade.

E a transformação da realidade é o tema principal de 1984. Disfarçada de democracia, a Oceania vive um totalitarismo desde que o IngSoc (o Partido) chegou ao poder sob a batuta do onipresente Grande Irmão (Big Brother).

Narrado em terceira pessoa, o livro conta a história de Winston Smith, membro do partido externo, funcionário do Ministério da Verdade. A função de Winston é reescrever e alterar dados de acordo com o interesse do Partido. Nada muito diferente de um jornalista ou um historiador. Winston questiona a opressão que o Partido exercia nos cidadãos. Se alguém pensasse diferente, cometia crimidéia (crime de idéia em novilíngua) e fatalmente seria capturado pela Polícia do Pensamento e era vaporizado. Desaparecia.

Inspirado na opressão dos regimes totalitários das décadas de 30 e 40, o livro não se resume a apenas criticar o stalinismo e o nazismo, mas toda a nivelação da sociedade, a redução do indivíduo em peça para servir ao estado ou ao mercado através do controle total, incluindo o pensamento e a redução do idioma. Winstom Smith representa o cidadão-comum vigiado pelas teletelas e pelas diretrizes do Partido. Orwell escolhera este nome na soma da 'homenagem' ao primeiro-ministro Winston Churchill com o uso do sobrenome mais comum na Inglaterra. A obra-prima foi escrita no ano de 1948 e seu titúlo invertido para 1984 por pressão dos editores. A intenção de Orwell era descrever um futuro baseado nos absurdos do presente.

George Orwell foi um dos escritores mais influentes do século XX. Autor de 1984, A Revolução dos Bichos (O Triunfo dos Porcos), Lutando na Espanha e outros importantes livros do século passado, Eric Arthur Blair (seu nome verdadeiro) descreveu em livro todas as suas vivências como guarda na Birmânia ou como professor (A Filha do Reverendo). Sua obra-prima é a distopia (utopia negativa) de 1984, onde Orwell previu um mundo controlado através da tecnologia, onde a novilíngua e o duplipensar estariam presentes.

Informações sobre o Livro


Livro: 1984
Autor: George Orwell (Eric Arthur Blair)
Ano de Publicação: 1949
Classificação: Romance
Título em Portugal: Mil Novecentos e Oitenta e Quatro
Título original: Nineteen Eighty-Four
Resumo: Mais famoso dos romances de George Orwell, 1984 é uma metáfora pessimista do pós-guerra para o futuro da humanidade dominado pelo totalitarismo. Para garantir a manutenção do Partido, os setores mais importantes da sociedade eram controlados pelas Teletelas, sempre sob a onipresença do Grande Irmão.

Personagens de 1984 de George Orwell:
• Winston Smith
• Júlia
• O'Brien
• Grande Irmão (Big Brother)
• Sr. Carrington
• Parsons
• Syme
• Tillotson
• Martin
• Jones
• Rutherford
• Mãe de Winston.

Características de 1984 de George Orwell:
• Novilíngua
• As Teletelas
• Divisão das classes
• O livro de Goldstein

Adaptações para o cinema e tv de 1984 de George Orwell:
Foram realizados quatro filmes baseados na obra-prima de George Orwell. Duas produções para a tv, de 1956 e a de 1965. A primeira versão para o cinema foi em 1956 e a mais recente foi produzida no sugestivo ano de 1984
• 1ª adaptação para a tv em 1954
• 2ª adaptação para a tv em 1965
• 1ª adaptação para o cinema em 1956
• 1ª adaptação para o cinema em 1984

Para quem não tem o livro da vez, estamos disponibilizando-o em formato PDF. Clique aqui para baixar para o seu computador.

Boa leitura!


Fontes: Clube do Livro  , Duplipensar

(a primeira parte deste post pode ser lida aqui)

Por Tim Challies

Libertando-se

Quando eu conheço um jovem hoje, eu presumo que ele está preso à pornografia, ou pelo menos que já esteve. É triste, mas é verdade. A grande acessibilidade da pornografia praticamente garante que todo jovem rapaz vai encontrá-la; e depois de tê-la provado, é difícil não se entregar a ela. Eu sei que a questão da pornografia é falada com tanta frequência nos círculos cristãos que corremos o risco de se torná-la clichê, mas é uma realidade que não podemos evitar ou ignorar.

 O objetivo deste livreto não é tanto dizer, “saia da pornografia” quanto o é dizer: “olhe o que a pornografia está fazendo com o seu coração.” Espero que esta mensagem possa ajudá-lo a: primeiro, ver que você realmente precisa parar de olhar pornografia e, segundo (e mesmo que você já tenha se libertado) que você precisa encontrar uma nova maneira de olhar para o sexo. Apenas parar, embora seja a coisa certa a fazer, não é suficiente. É necessário substituir as mentiras pela verdade.

Eu não gostaria de continuar este estudo sem primeiro retificar uma das grandes mentiras sobre a pornografia e então implorar aos jovens para que se libertem de suas garras.

O casamento vai fazer a pornografia ir embora!

Eu já falei com jovens que pensam que a resposta para a sua dependência de pornografia e o seu vício de masturbação é o casamento. “Se eu me casar, eu poderei ter relações sexuais legítimas e então todo este pecado vai desaparecer”. Isto pode parecer uma suposição lógica, mas é tragicamente falha. Ela assume uma medida de igualdade entre um sexo ilegítimo e egoísta e o sexo legítimo dentro do casamento. Ela assume que o ruim pode ser simplesmente substituído pelo bom como se houvesse uma equivalência de 1-para-1 entre as duas experiências. O rapaz dá uma saída legítima para seus desejos e, então, ele não será mais um desejo ilegítimo, certo?

Legiões de homens e suas esposas feridas podem testemunhar que isso não funciona dessa maneira. A pornografia e o sexo dentro do casamento são coisas completamente diferentes. Sim, quando você se casar, você pode achar que no começo está bem satisfeito com a sua esposa e pode encontrar satisfação no sexo com ela. Mas o pecado ainda pode estar adormecido. Se o pecado nunca for tratado, é provável que volte. Mais cedo ou mais tarde, se você nunca realmente se arrependeu daquele pecado, ele vai aparecer novamente com toda a sua feiúra. Talvez seja num momento em que sua esposa viaje por alguns dias, ou quando você viajar e encontrar-se sozinho em um quarto de hotel em uma cidade estranha. Talvez seja após o nascimento de seu primeiro bebê, quando há aquele tempo de espera em que, durante várias semanas, não se pode ter relações sexuais. Mas é muito provável que o pecado vá voltar para ferir você e sua esposa.

Você precisa matar o pecado! Você não pode simplesmente pôr uma máscara sobre ele, encobri-lo, e achar que está lidando com o problema. É como aquelas pessoas de que você ouve falar no jornal, que matam alguém e guardam o corpo em uma parede ou colocam em uma caixa no porão. Quem é burro o suficiente para pensar que isso realmente funciona? O corpo vai começar a feder e mais cedo ou mais tarde todos irão perceber que algo está morto e apodrecendo. É assim com o pecado. Você pode encaixotá-lo para se parecer com algo legítimo, você pode colocar a caixa no porão e cobri-lo, mas, mais cedo ou mais tarde, a caixa e a morte que ela contém vão feder. Você não vai enganar ninguém, muito menos aquele que vê as profundezas do coração. “O inferno e o abismo estão abertos perante o Senhor, quanto mais os corações dos filhos dos homens!” (Provérbios 15:11). Não ignore o seu pecado!

Lide com o pecado!

Se você quiser ser um marido bom e piedoso algum dia, se você quiser ser capaz de tratar a sua esposa do jeito que ela merece ser tratada, você precisa parar de ver pornografia agora mesmo. Neste instante. Hoje. E então você precisa reformular a sua compreensão do sexo, substituindo as distorções pela verdade pura. “Exterminai, pois, as vossas inclinações carnais; a prostituição, a impureza, a paixão, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria pois por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência;” (Colossenses 3:5,6).

Mas você já sabe que precisa parar. Não existem muitos homens cristãos por aí que estejam à procura de pornografia e que não saibam que precisam parar. O problema não é com o conhecimento, é com vontade e capacidade. Todo homem cristão que vê pornografia quer parar, mas muitos deles querem parar um pouco menos do que eles querem continuar. E assim o pecado prevalece. A única maneira de você parar é começar a ver a natureza monstruosa do pecado que você está cometendo. Você só vai parar quando o pecado for mais terrível para você do que agradável ao praticá-lo. Você terá que odiar o pecado antes que você se veja liberto dele. Obviamente a pornografia é um pecado que é em primeiro lugar contra Deus. Deus odeia a pornografia como ele odeia qualquer distorção de suas boas dádivas. Você sabe que isto já foi dito inumeráveis vezes. Neste livreto estou tentando mostrar-lhe alguns dos efeitos secundários da pornografia e, principalmente, o fato de que a pornografia reformula sua compreensão de sexo, de masculinidade, de feminilidade. Quero que você tenha ódio e medo disto como você deveria ter do pecado em si. Eu quero que você saiba que você não pode ser um marido amoroso, um marido eficaz, um homem temente a Deus, enquanto sua mente está cheia com as mentiras da pornografia. Você necessita se libertar e precisa de desintoxicação.

Deus está infinitamente mais disposto a lidar com o seu pecado do que você está a cometer o pecado. Você pode até amar este pecado e estar comprometido com ele, mas se você é um Cristão, Deus está mais disposto do que você a superá-lo e destruí-lo. Ele concederá graça para você colocar o pecado à morte. “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” (1 João 1:9).

Libertando-se

Tempo e experiência me faltariam para traçar um plano para derrotar a pornografia neste livreto. Você pode encontrar todos os tipos de informações online (um exemplo seria esse: Libertando-se do vício pornográfico) e em bons livros*. Mas, por melhores que os recursos possam ser, eu não recomendo começar em nenhum deles. Se você verdadeiramente quer superar a pornografia, procure o seu pastor. Não sei se há um só pastor na América que não esteja ajudando alguém a lutar contra a pornografia.

Entenda a sua vontade de falar com alguém sobre o seu problema como um sinal de que você está, na realidade, finalmente, disposto a lidar com ele. A igreja local é o contexto ideal para combater esse tipo de pecado, uma vez que lá se encontra a autoridade e o apoio para ajudá-lo a lutar e, finalmente, para ajudá-lo a vencer. Se você quiser vencer a pornografia, verdadeiramente superá-la, você estará disposto humilhar-se e falar com alguém sobre isso. Embora Deus possa, ocasionalmente simplesmente remover o desejo de uma pessoa por pornografia, é muito mais provável que seja um longo e difícil processo. Ver o quão profundo este pecado foi e assim, lentamente tratar a infecção.

Eu sei que há algumas pessoas que não têm este tipo de acesso aos seus pastores, o tipo que você pode dizer: “Preciso de ajuda!” Se esse for o caso, encontre um homem cristão maduro de confiança (certifique-se que ele preenche todos os quatro qualificadores), a quem você possa falar. Não fale com o seu amigo de dezoito anos de idade e faça algum acordo de responsabilidade com ele. É pouco provável que isso ajude. Recorra a um homem cristão a quem você ama e respeita e diga-lhe com o que você está lidando. Isso vai ser humilde e humilhante em todas as melhores formas. Mas garanto que ele vai simpatizar com você e estará tanto disposto quanto ansioso para ajudá-lo a lutar e vencer este pecado.

Iniciando a desintoxicação

Como eu disse no capítulo anterior, a pornografia, como qualquer outro pecado, vem com uma espécie de efeito cascata. Se você estiver olhando pornografia por qualquer período de tempo, estou certo de que você pode se identificar com isso. Você vai saber que as coisas que te interessavam no início, agora parecem muito brandas. E as coisas que foram uma vez brutas já estão começando a interessar você. Essa é a natureza do pecado. Esta é a maneira que o pecado sempre age. Ele sempre exige mais de você. E enquanto isso, quando você tem certeza de que está controlando o seu pecado, é ele que tem controlado você. Ele reformulou a sua mente e seu coração de determinadas maneiras, e chegou mesmo a formar sua compreensão de sua própria futura esposa! Você está olhando para ela por meio dos olhos de um pornógrafo! Você gostaria que o dono da revista Playboy fitasse o corpo de sua esposa? Você está olhando para ela por meio dos olhos dele. Os olhos que ele e outros como ele lhe deram por meio do consumo de sua pornografia.

O que você precisa fazer é pegar emprestados os olhos de Deus e prepare-se para olhar para a sua esposa através dessa lente, através desse filtro. É necessário substituir as mentiras pela verdade. E Deus lhe deu a Bíblia para que você possa fazer exatamente isso. Por meio da Bíblia somos capazes de tomar emprestados os olhos de Deus e ver o mundo como Ele o vê. E assim, no próximo post formaremos uma Teologia do Sexo, buscando entender o propósito do sexo, a finalidade do desejo sexual e até mesmo a finalidade do desejo sexual desigual.

Perguntas e respostas

1. Você acredita que a pornografia tenha produzido algo no seu coração?

2. Alguma vez você já se encontrou pensando que o seu problema com a pornografia e a masturbação seria resolvido se você se casasse? Você acha que esse é realmente o caso?

3. Você acredita que a masturbação e a pornografia são prejudiciais para um casamento de saudável? Você acredita que pode ser prejudicial para o seu futuro casamento?

4. Quando se trata de pecado sexual, você se vê mais comprometido com o seu pecado ou em obedecer a Deus?

5. Você tem pastores com quem você contar na luta contra este (ou qualquer outro) pecado? E quanto a homens mais velhos, que possam estar dispostos a aconselhar você?

6. Se você ainda estiver vendo pornografia, você está disposto, hoje, a ir falar com seu pastor ou seu pai ou tutor sobre o seu problema?

Traduzido por Gustavo Vilela | iPródigo

Notas do tradutor:

*Verifique no final desta série alguns recursos recomendados pelo autor.

Série originalmente  publicada por Tim Challies em seis partes (a primeira aqui) e mais tarde foi compilada em dois e-books, disponíveis em formato PDF neste link.

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Desintoxicação sexual (2)

(a primeira parte deste post pode ser lida aqui)

Por Tim Challies

Libertando-se

Quando eu conheço um jovem hoje, eu presumo que ele está preso à pornografia, ou pelo menos que já esteve. É triste, mas é verdade. A grande acessibilidade da pornografia praticamente garante que todo jovem rapaz vai encontrá-la; e depois de tê-la provado, é difícil não se entregar a ela. Eu sei que a questão da pornografia é falada com tanta frequência nos círculos cristãos que corremos o risco de se torná-la clichê, mas é uma realidade que não podemos evitar ou ignorar.

 O objetivo deste livreto não é tanto dizer, “saia da pornografia” quanto o é dizer: “olhe o que a pornografia está fazendo com o seu coração.” Espero que esta mensagem possa ajudá-lo a: primeiro, ver que você realmente precisa parar de olhar pornografia e, segundo (e mesmo que você já tenha se libertado) que você precisa encontrar uma nova maneira de olhar para o sexo. Apenas parar, embora seja a coisa certa a fazer, não é suficiente. É necessário substituir as mentiras pela verdade.

Eu não gostaria de continuar este estudo sem primeiro retificar uma das grandes mentiras sobre a pornografia e então implorar aos jovens para que se libertem de suas garras.

O casamento vai fazer a pornografia ir embora!

Eu já falei com jovens que pensam que a resposta para a sua dependência de pornografia e o seu vício de masturbação é o casamento. “Se eu me casar, eu poderei ter relações sexuais legítimas e então todo este pecado vai desaparecer”. Isto pode parecer uma suposição lógica, mas é tragicamente falha. Ela assume uma medida de igualdade entre um sexo ilegítimo e egoísta e o sexo legítimo dentro do casamento. Ela assume que o ruim pode ser simplesmente substituído pelo bom como se houvesse uma equivalência de 1-para-1 entre as duas experiências. O rapaz dá uma saída legítima para seus desejos e, então, ele não será mais um desejo ilegítimo, certo?

Legiões de homens e suas esposas feridas podem testemunhar que isso não funciona dessa maneira. A pornografia e o sexo dentro do casamento são coisas completamente diferentes. Sim, quando você se casar, você pode achar que no começo está bem satisfeito com a sua esposa e pode encontrar satisfação no sexo com ela. Mas o pecado ainda pode estar adormecido. Se o pecado nunca for tratado, é provável que volte. Mais cedo ou mais tarde, se você nunca realmente se arrependeu daquele pecado, ele vai aparecer novamente com toda a sua feiúra. Talvez seja num momento em que sua esposa viaje por alguns dias, ou quando você viajar e encontrar-se sozinho em um quarto de hotel em uma cidade estranha. Talvez seja após o nascimento de seu primeiro bebê, quando há aquele tempo de espera em que, durante várias semanas, não se pode ter relações sexuais. Mas é muito provável que o pecado vá voltar para ferir você e sua esposa.

Você precisa matar o pecado! Você não pode simplesmente pôr uma máscara sobre ele, encobri-lo, e achar que está lidando com o problema. É como aquelas pessoas de que você ouve falar no jornal, que matam alguém e guardam o corpo em uma parede ou colocam em uma caixa no porão. Quem é burro o suficiente para pensar que isso realmente funciona? O corpo vai começar a feder e mais cedo ou mais tarde todos irão perceber que algo está morto e apodrecendo. É assim com o pecado. Você pode encaixotá-lo para se parecer com algo legítimo, você pode colocar a caixa no porão e cobri-lo, mas, mais cedo ou mais tarde, a caixa e a morte que ela contém vão feder. Você não vai enganar ninguém, muito menos aquele que vê as profundezas do coração. “O inferno e o abismo estão abertos perante o Senhor, quanto mais os corações dos filhos dos homens!” (Provérbios 15:11). Não ignore o seu pecado!

Lide com o pecado!

Se você quiser ser um marido bom e piedoso algum dia, se você quiser ser capaz de tratar a sua esposa do jeito que ela merece ser tratada, você precisa parar de ver pornografia agora mesmo. Neste instante. Hoje. E então você precisa reformular a sua compreensão do sexo, substituindo as distorções pela verdade pura. “Exterminai, pois, as vossas inclinações carnais; a prostituição, a impureza, a paixão, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria pois por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência;” (Colossenses 3:5,6).

Mas você já sabe que precisa parar. Não existem muitos homens cristãos por aí que estejam à procura de pornografia e que não saibam que precisam parar. O problema não é com o conhecimento, é com vontade e capacidade. Todo homem cristão que vê pornografia quer parar, mas muitos deles querem parar um pouco menos do que eles querem continuar. E assim o pecado prevalece. A única maneira de você parar é começar a ver a natureza monstruosa do pecado que você está cometendo. Você só vai parar quando o pecado for mais terrível para você do que agradável ao praticá-lo. Você terá que odiar o pecado antes que você se veja liberto dele. Obviamente a pornografia é um pecado que é em primeiro lugar contra Deus. Deus odeia a pornografia como ele odeia qualquer distorção de suas boas dádivas. Você sabe que isto já foi dito inumeráveis vezes. Neste livreto estou tentando mostrar-lhe alguns dos efeitos secundários da pornografia e, principalmente, o fato de que a pornografia reformula sua compreensão de sexo, de masculinidade, de feminilidade. Quero que você tenha ódio e medo disto como você deveria ter do pecado em si. Eu quero que você saiba que você não pode ser um marido amoroso, um marido eficaz, um homem temente a Deus, enquanto sua mente está cheia com as mentiras da pornografia. Você necessita se libertar e precisa de desintoxicação.

Deus está infinitamente mais disposto a lidar com o seu pecado do que você está a cometer o pecado. Você pode até amar este pecado e estar comprometido com ele, mas se você é um Cristão, Deus está mais disposto do que você a superá-lo e destruí-lo. Ele concederá graça para você colocar o pecado à morte. “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” (1 João 1:9).

Libertando-se

Tempo e experiência me faltariam para traçar um plano para derrotar a pornografia neste livreto. Você pode encontrar todos os tipos de informações online (um exemplo seria esse: Libertando-se do vício pornográfico) e em bons livros*. Mas, por melhores que os recursos possam ser, eu não recomendo começar em nenhum deles. Se você verdadeiramente quer superar a pornografia, procure o seu pastor. Não sei se há um só pastor na América que não esteja ajudando alguém a lutar contra a pornografia.

Entenda a sua vontade de falar com alguém sobre o seu problema como um sinal de que você está, na realidade, finalmente, disposto a lidar com ele. A igreja local é o contexto ideal para combater esse tipo de pecado, uma vez que lá se encontra a autoridade e o apoio para ajudá-lo a lutar e, finalmente, para ajudá-lo a vencer. Se você quiser vencer a pornografia, verdadeiramente superá-la, você estará disposto humilhar-se e falar com alguém sobre isso. Embora Deus possa, ocasionalmente simplesmente remover o desejo de uma pessoa por pornografia, é muito mais provável que seja um longo e difícil processo. Ver o quão profundo este pecado foi e assim, lentamente tratar a infecção.

Eu sei que há algumas pessoas que não têm este tipo de acesso aos seus pastores, o tipo que você pode dizer: “Preciso de ajuda!” Se esse for o caso, encontre um homem cristão maduro de confiança (certifique-se que ele preenche todos os quatro qualificadores), a quem você possa falar. Não fale com o seu amigo de dezoito anos de idade e faça algum acordo de responsabilidade com ele. É pouco provável que isso ajude. Recorra a um homem cristão a quem você ama e respeita e diga-lhe com o que você está lidando. Isso vai ser humilde e humilhante em todas as melhores formas. Mas garanto que ele vai simpatizar com você e estará tanto disposto quanto ansioso para ajudá-lo a lutar e vencer este pecado.

Iniciando a desintoxicação

Como eu disse no capítulo anterior, a pornografia, como qualquer outro pecado, vem com uma espécie de efeito cascata. Se você estiver olhando pornografia por qualquer período de tempo, estou certo de que você pode se identificar com isso. Você vai saber que as coisas que te interessavam no início, agora parecem muito brandas. E as coisas que foram uma vez brutas já estão começando a interessar você. Essa é a natureza do pecado. Esta é a maneira que o pecado sempre age. Ele sempre exige mais de você. E enquanto isso, quando você tem certeza de que está controlando o seu pecado, é ele que tem controlado você. Ele reformulou a sua mente e seu coração de determinadas maneiras, e chegou mesmo a formar sua compreensão de sua própria futura esposa! Você está olhando para ela por meio dos olhos de um pornógrafo! Você gostaria que o dono da revista Playboy fitasse o corpo de sua esposa? Você está olhando para ela por meio dos olhos dele. Os olhos que ele e outros como ele lhe deram por meio do consumo de sua pornografia.

O que você precisa fazer é pegar emprestados os olhos de Deus e prepare-se para olhar para a sua esposa através dessa lente, através desse filtro. É necessário substituir as mentiras pela verdade. E Deus lhe deu a Bíblia para que você possa fazer exatamente isso. Por meio da Bíblia somos capazes de tomar emprestados os olhos de Deus e ver o mundo como Ele o vê. E assim, no próximo post formaremos uma Teologia do Sexo, buscando entender o propósito do sexo, a finalidade do desejo sexual e até mesmo a finalidade do desejo sexual desigual.

Perguntas e respostas

1. Você acredita que a pornografia tenha produzido algo no seu coração?

2. Alguma vez você já se encontrou pensando que o seu problema com a pornografia e a masturbação seria resolvido se você se casasse? Você acha que esse é realmente o caso?

3. Você acredita que a masturbação e a pornografia são prejudiciais para um casamento de saudável? Você acredita que pode ser prejudicial para o seu futuro casamento?

4. Quando se trata de pecado sexual, você se vê mais comprometido com o seu pecado ou em obedecer a Deus?

5. Você tem pastores com quem você contar na luta contra este (ou qualquer outro) pecado? E quanto a homens mais velhos, que possam estar dispostos a aconselhar você?

6. Se você ainda estiver vendo pornografia, você está disposto, hoje, a ir falar com seu pastor ou seu pai ou tutor sobre o seu problema?

Traduzido por Gustavo Vilela | iPródigo

Notas do tradutor:

*Verifique no final desta série alguns recursos recomendados pelo autor.

Série originalmente  publicada por Tim Challies em seis partes (a primeira aqui) e mais tarde foi compilada em dois e-books, disponíveis em formato PDF neste link.

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Por Tim Challies

Introdução
Não é fácil ser um jovem rapaz hoje em dia. Talvez nunca tenha sido fácil, mas atualmente os desafios que os jovens que querem se manter santos enfrentam parecem ser mais difíceis do que nunca. Você vive em um tempo em que a cultura parece estar toda entregue ao sexo. Ele está sempre ao seu redor e você mal consegue evitar sua sedução.

Onde quer que você vá, você é encarado pelas tentações e, se você for igual à maioria dos garotos, já começou a ceder a elas. Talvez você tenha acabado de começar a olhar pornografia, talvez você já esteja nisso há vários anos. Talvez você esteja lutando contra a masturbação, desejando não se dar este prazer, mas talvez tenha descoberto que é muito mais difícil parar do que você um dia imaginou. Talvez você tenha descoberto que, mais do que nunca, o sexo está enchendo a sua mente e impactando o seu coração.

Essa série de posts é especialmente designada para homens jovens – aqueles que ainda não são casados, mas que esperam casar-se no futuro. Talvez você não esteja namorando ou talvez você já tenha encontrado a mulher dos seus sonhos e já esteja perto de casar-se e construir uma vida juntos. Talvez a mulher dos seus sonhos pareça estar ainda muito longe. Não importa sua situação, eu quero usar estes posts para ajudá-lo a descobrir o plano de Deus para o sexo e para a sexualidade. Eu quero ajudá-lo a encontrar as mentiras em que você acreditou sobre o sexo e quero ajudá-lo a substituí-las pela verdade, que vem diretamente de Deus, que criou o sexo para nós.

“Pornificando” o leito conjugal
Eu sempre agradeço a Deus por ter crescido nos anos que antecederam a entrada da internet em todas as casas. Não estou certo se eu teria lidado muito bem com isso. Não é que eu seja antigo, mas os meus trinta e três anos significam que eu nasci e cresci em um mundo pré-internet. É difícil quantificar – ou mesmo qualificar – como o mundo mudou desde que a web ligou todos nós juntos nessa estranha e elaborada rede de bits e bytes. Há dificilmente uma área da vida que permanece intocada por ela. Nós não temos aquele mesmo velho mundo mais (+) a Internet. Temos um mundo totalmente novo. Mesmo as coisas de carne e osso, como o sexo foram radicalmente alteradas neste mundo digital.

Adolescentes nos anos 90 (quando eu estava crescendo) não eram muito diferentes das adolescentes de hoje.

Queríamos as mesmas coisas, apenas tínhamos que batalhar um pouco mais para obter algumas delas. Se quiséssemos ver pornografia (e nós queríamos, é claro), o processo geralmente envolvia pelo menos duas crianças que trabalhavam em conjunto, uma das quais distraía um comerciante, enquanto o outro iria tentar roubar uma revista da prateleira na parte de trás da loja.

Ela teria que pegar uma revista da prateleira, escondê-la dentro das calças e sair da loja sem ser notado. Era perigoso, envolvia altos riscos. Se desse errado, poderia facilmente envolver um encontro realmente desagradável entre seus pais e a polícia. Os tempos mudaram.

Hoje, como você sabe, um cara só precisa ligar o seu computador e, em dois ou três cliques do mouse, ele pode ter acesso ilimitado a quantidades ilimitadas de pornografia. Hoje é realmente muito mais difícil evitar a pornografia do que encontrá-la. Seria literalmente impossível uma pessoa assistir a toda pornografia que está sendo criada hoje.

Não haveria bastantes horas no dia ou dias no ano. Nem perto disso. Nem preciso dizer que os adolescentes – meninos, em particular, – são rápidos para aproveitar essa festa pornográfica. Mesmo meninos pré-adolescentes estão sendo atraídos para o mundo da pornografia. Desde o primeiro despertar da sexualidade de um menino, ele está sendo inundados com imagens pornográficas. Estas não são simples imagens de mulheres nuas como seria duas gerações atrás, mas são imagens muito fortes, que muitas vezes mostram o que é vil e degradante.

A sexualidade de uma geração inteira de crianças está sendo formada não por conversas com seus pais, não pelo tipo de livro que me foi dado quando jovem, mas por profissionais da indústria de pornografia, que farão qualquer coisa – qualquer coisa! – para alimentar o desejo por uma depravação maior.

Esta é a verdadeira natureza do pecado, não é? O pecado é progressivo por natureza. Se você dá uma polegada, ele logo pede para tirar uma milha. O pecado nunca está satisfeito, mas sempre procura e deseja mais.

Você já foi assustado pelo seu pecado? Talvez tenha havido um momento em que você viu como um pecado em particular estava tomando mais de você. Talvez você tenha pensado que estava no controle de seu pecado, mas de repente descobriu que, quase em um instante, ela tinha aumentado para o próximo nível.

Você já não estava no controle, o pecado tinha passado a ditar o caminho e você estava mais e mais conformado com o passeio, obedecendo aos impulsos da carne. Este é um lugar horrível para estar e eu acredito que todo mundo já experimentou isso uma vez ou outra.

Eu sei sem qualquer dúvida que muitos, muitos homens jovens (e de meia-idade e idosos) podem testemunhar do poder da pornografia em dominar a pessoa.

O primeiro vislumbre da pornografia pode ser fugaz – intrigante, mas de curta duração. Um corpo nu é tudo o que olho precisa ver e fornece todo o “combustível” por um tempo. Mas em pouco tempo o coração anseia por mais.

O que antes era satisfatório agora é chato, o que antes era bruto de repente é desejável. Ao longo do caminho, a percepção geral de uma pessoa sobre o sexo é alterada. Já não é a simples relação sexual entre um homem e uma mulher. Em vez disso, torna-se uma série de atos, mesmo os atos que são, de alguma forma, desconfortáveis ou degradantes. Pornografia ensina que o sexo é tudo, menos íntima relação de pessoa para pessoa, contato entre corpo e alma dos cônjuges desejosos.

E, como se costuma dizer, a vida logo imita a “arte”. Jovens contraem matrimônio com suas mentes cheias de imagens pornográficas e os seus corações cheios do desejo de realizar fantasias pornográficas.

Pouco tempo atrás, li um artigo escrito por uma mulher que se considerava uma feminista. Ela insistiu que gostava de dormir com homens e às vezes considerava em dormir com uma sucessão contínua de homens.

No entanto, ela compartilhou o que para ela era uma preocupação crescente. Cada vez mais, segundo ela, os homens com quem dormia não tinham nenhum real interesse nela. Eles simplesmente queriam que ela agisse como uma atriz pornô em seu benefício. Eles estavam usando-a para fazer pouco mais do que representar as suas pornografias. Não houve ternura, desejo de intimidade compartilhada, e certamente nenhum amor.

Eles simplesmente usaram seu corpo como um meio para um fim imediato. Isso, ela viu, foi muito rapidamente se tornando uma nova regra. Ela estava desgostosa por isso, mas percebeu que sua visão feminista não deu nenhum recurso real, nenhuma forma eficaz de explicar o seu desgosto, seu desconforto. O que parecia claro é que uma geração de homens, se afogando em uma fossa de pornografia, tem um novo conjunto de expectativas para o que eles querem das mulheres. Eles querem mulheres para subjugar a fim de agir como estrelas pornôs. As mulheres vão sendo utilizadas, sentindo-se pouco mais do que prostitutas.

No best-seller SuperFreakonomics, Steven Levitt e Stephen Dubner gastam quase um capítulo inteiro investigando a economia da prostituição. Fazem muitas observações interessantes, uma das quais se baseia em comparações dos preços relativos entre os atos sexuais no passado e atos sexuais hoje. Parece que a natureza tabu de certos atos sempre trouxe consigo certo bônus. “Tabu” é um alvo em movimento. O que era proibido no passado e, portanto, era caro, é hoje tão popular que o preço caiu substancialmente. Algo que foi o ato mais caro está hoje entre os menos caros. Atos que antes eram tabu devido à sua natureza extremamente íntima ou vulgar e degradante são aceitas como legítimas formas de expressão sexual em qualquer relacionamento.

O que por qualquer outro padrão seria considerado “normal” é agora muito indesejável, muito chato. Portanto, foi substituído pelo que é invasor e degradante.

Pornografia é inerentemente violenta, intrinsecamente desamor. É uma perversão da sexualidade, não uma verdadeira forma dela, e algo que ensina a violência e degradação em detrimento do prazer mútuo e intimidade. É sobre conquistas. É o oposto da intenção de Deus para o sexo. A pornografia desvincula o amor do sexo, deixando o sexo como a satisfação imediata dos desejos mais básicos. Ela vive para além das regras e da ética e da moralidade. Ela existe muito além do amor. E ainda inúmeros jovens, mesmo jovens cristãos, estão vindo para o casamento trazendo consigo toda essa bagagem pornográfica. Depois de ter visto milhares de atos sexuais num cenário pornográfico, eles pesam sobre suas esposas a expectativa de ter uma atriz pornô. O jovem marido supõe ou demanda que sua mulher esteja disposta a fazer qualquer coisa, e que ela vai fazer tudo isso com a devida alegria e encorajamento, e que ela será tão disposta e desejosa e qualificada como as mulheres que ele viu numa tela.

Minha grande preocupação com os jovens de hoje (que é realmente mais uma preocupação para as mulheres que serão em breve as suas jovens esposas) é que talvez inadvertidamente, ou talvez intencionalmente pornifiquem o leito conjugal. Eles podem trazer impureza ao puro, egoísmo ao altruísmo. Tendo-se entregue à pornografia, tiveram toda a sua percepção da sexualidade alterada, moldada por pornografia profissional. Eles poderão em breve impor sobre suas jovens noivas a expectativa impossível de uma estrela pornô. Com a grande maioria dos jovens tendo sido expostos à pornografia (pelo menos 90% de acordo com estudos recentes), e com uma grande percentagem deles tendo sido viciados nela, e com muitos a apreciá-la mesmo depois que entram no casamento, eles precisam ter sua compreensão e suas expectativas redefinidas de acordo com Aquele que criou o sexo.

Quando uma pessoa se torna viciada em drogas, ela tem que passar por um processo chamado de desintoxicação. No processo de desintoxicação o corpo da pessoa é limpo da droga de que se tornou dependente. É um processo difícil em que se abandona as velhas realidades e se abraça um novo padrão.

Muitos jovens precisam de uma espécie de desintoxicação sexual antes que eles estejam preparados para ser o tipo de marido puro, amoroso, atencioso, sacrificial que Deus os chama a ser. Neste livrinho curto, voltado especificamente para jovens que são solteiros, ou noivos, ou à procura de encontrar essa mulher especial, no futuro próximo, espero poder ajudá-los a reorientar a sua compreensão do sexo, tanto no quadro geral quanto no ato em si, de acordo com o plano de Deus para este grande dom. Eu vou ajudá-lo a se desintoxicar de todo o lixo que você viu, de todas as mentiras em que você acreditou.

Traduzido por Gustavo Vilela | iPródigo

Notas:
Esta série foi originalmente publicada por Tim Challies em seis partes (a primeira aqui) e mais tarde foi compilada em dois e-books, disponíveis em formato PDF neste link.

Aqui no iPródigo, a série – que será postada semanalmente, se o Senhor o permitir,- foi traduzida do e-book para rapazes solteiros.

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Fontes: Semeando ,  iPródigo

Desintoxicação Sexual (1)

Por Tim Challies

Introdução
Não é fácil ser um jovem rapaz hoje em dia. Talvez nunca tenha sido fácil, mas atualmente os desafios que os jovens que querem se manter santos enfrentam parecem ser mais difíceis do que nunca. Você vive em um tempo em que a cultura parece estar toda entregue ao sexo. Ele está sempre ao seu redor e você mal consegue evitar sua sedução.

Onde quer que você vá, você é encarado pelas tentações e, se você for igual à maioria dos garotos, já começou a ceder a elas. Talvez você tenha acabado de começar a olhar pornografia, talvez você já esteja nisso há vários anos. Talvez você esteja lutando contra a masturbação, desejando não se dar este prazer, mas talvez tenha descoberto que é muito mais difícil parar do que você um dia imaginou. Talvez você tenha descoberto que, mais do que nunca, o sexo está enchendo a sua mente e impactando o seu coração.

Essa série de posts é especialmente designada para homens jovens – aqueles que ainda não são casados, mas que esperam casar-se no futuro. Talvez você não esteja namorando ou talvez você já tenha encontrado a mulher dos seus sonhos e já esteja perto de casar-se e construir uma vida juntos. Talvez a mulher dos seus sonhos pareça estar ainda muito longe. Não importa sua situação, eu quero usar estes posts para ajudá-lo a descobrir o plano de Deus para o sexo e para a sexualidade. Eu quero ajudá-lo a encontrar as mentiras em que você acreditou sobre o sexo e quero ajudá-lo a substituí-las pela verdade, que vem diretamente de Deus, que criou o sexo para nós.

“Pornificando” o leito conjugal
Eu sempre agradeço a Deus por ter crescido nos anos que antecederam a entrada da internet em todas as casas. Não estou certo se eu teria lidado muito bem com isso. Não é que eu seja antigo, mas os meus trinta e três anos significam que eu nasci e cresci em um mundo pré-internet. É difícil quantificar – ou mesmo qualificar – como o mundo mudou desde que a web ligou todos nós juntos nessa estranha e elaborada rede de bits e bytes. Há dificilmente uma área da vida que permanece intocada por ela. Nós não temos aquele mesmo velho mundo mais (+) a Internet. Temos um mundo totalmente novo. Mesmo as coisas de carne e osso, como o sexo foram radicalmente alteradas neste mundo digital.

Adolescentes nos anos 90 (quando eu estava crescendo) não eram muito diferentes das adolescentes de hoje.

Queríamos as mesmas coisas, apenas tínhamos que batalhar um pouco mais para obter algumas delas. Se quiséssemos ver pornografia (e nós queríamos, é claro), o processo geralmente envolvia pelo menos duas crianças que trabalhavam em conjunto, uma das quais distraía um comerciante, enquanto o outro iria tentar roubar uma revista da prateleira na parte de trás da loja.

Ela teria que pegar uma revista da prateleira, escondê-la dentro das calças e sair da loja sem ser notado. Era perigoso, envolvia altos riscos. Se desse errado, poderia facilmente envolver um encontro realmente desagradável entre seus pais e a polícia. Os tempos mudaram.

Hoje, como você sabe, um cara só precisa ligar o seu computador e, em dois ou três cliques do mouse, ele pode ter acesso ilimitado a quantidades ilimitadas de pornografia. Hoje é realmente muito mais difícil evitar a pornografia do que encontrá-la. Seria literalmente impossível uma pessoa assistir a toda pornografia que está sendo criada hoje.

Não haveria bastantes horas no dia ou dias no ano. Nem perto disso. Nem preciso dizer que os adolescentes – meninos, em particular, – são rápidos para aproveitar essa festa pornográfica. Mesmo meninos pré-adolescentes estão sendo atraídos para o mundo da pornografia. Desde o primeiro despertar da sexualidade de um menino, ele está sendo inundados com imagens pornográficas. Estas não são simples imagens de mulheres nuas como seria duas gerações atrás, mas são imagens muito fortes, que muitas vezes mostram o que é vil e degradante.

A sexualidade de uma geração inteira de crianças está sendo formada não por conversas com seus pais, não pelo tipo de livro que me foi dado quando jovem, mas por profissionais da indústria de pornografia, que farão qualquer coisa – qualquer coisa! – para alimentar o desejo por uma depravação maior.

Esta é a verdadeira natureza do pecado, não é? O pecado é progressivo por natureza. Se você dá uma polegada, ele logo pede para tirar uma milha. O pecado nunca está satisfeito, mas sempre procura e deseja mais.

Você já foi assustado pelo seu pecado? Talvez tenha havido um momento em que você viu como um pecado em particular estava tomando mais de você. Talvez você tenha pensado que estava no controle de seu pecado, mas de repente descobriu que, quase em um instante, ela tinha aumentado para o próximo nível.

Você já não estava no controle, o pecado tinha passado a ditar o caminho e você estava mais e mais conformado com o passeio, obedecendo aos impulsos da carne. Este é um lugar horrível para estar e eu acredito que todo mundo já experimentou isso uma vez ou outra.

Eu sei sem qualquer dúvida que muitos, muitos homens jovens (e de meia-idade e idosos) podem testemunhar do poder da pornografia em dominar a pessoa.

O primeiro vislumbre da pornografia pode ser fugaz – intrigante, mas de curta duração. Um corpo nu é tudo o que olho precisa ver e fornece todo o “combustível” por um tempo. Mas em pouco tempo o coração anseia por mais.

O que antes era satisfatório agora é chato, o que antes era bruto de repente é desejável. Ao longo do caminho, a percepção geral de uma pessoa sobre o sexo é alterada. Já não é a simples relação sexual entre um homem e uma mulher. Em vez disso, torna-se uma série de atos, mesmo os atos que são, de alguma forma, desconfortáveis ou degradantes. Pornografia ensina que o sexo é tudo, menos íntima relação de pessoa para pessoa, contato entre corpo e alma dos cônjuges desejosos.

E, como se costuma dizer, a vida logo imita a “arte”. Jovens contraem matrimônio com suas mentes cheias de imagens pornográficas e os seus corações cheios do desejo de realizar fantasias pornográficas.

Pouco tempo atrás, li um artigo escrito por uma mulher que se considerava uma feminista. Ela insistiu que gostava de dormir com homens e às vezes considerava em dormir com uma sucessão contínua de homens.

No entanto, ela compartilhou o que para ela era uma preocupação crescente. Cada vez mais, segundo ela, os homens com quem dormia não tinham nenhum real interesse nela. Eles simplesmente queriam que ela agisse como uma atriz pornô em seu benefício. Eles estavam usando-a para fazer pouco mais do que representar as suas pornografias. Não houve ternura, desejo de intimidade compartilhada, e certamente nenhum amor.

Eles simplesmente usaram seu corpo como um meio para um fim imediato. Isso, ela viu, foi muito rapidamente se tornando uma nova regra. Ela estava desgostosa por isso, mas percebeu que sua visão feminista não deu nenhum recurso real, nenhuma forma eficaz de explicar o seu desgosto, seu desconforto. O que parecia claro é que uma geração de homens, se afogando em uma fossa de pornografia, tem um novo conjunto de expectativas para o que eles querem das mulheres. Eles querem mulheres para subjugar a fim de agir como estrelas pornôs. As mulheres vão sendo utilizadas, sentindo-se pouco mais do que prostitutas.

No best-seller SuperFreakonomics, Steven Levitt e Stephen Dubner gastam quase um capítulo inteiro investigando a economia da prostituição. Fazem muitas observações interessantes, uma das quais se baseia em comparações dos preços relativos entre os atos sexuais no passado e atos sexuais hoje. Parece que a natureza tabu de certos atos sempre trouxe consigo certo bônus. “Tabu” é um alvo em movimento. O que era proibido no passado e, portanto, era caro, é hoje tão popular que o preço caiu substancialmente. Algo que foi o ato mais caro está hoje entre os menos caros. Atos que antes eram tabu devido à sua natureza extremamente íntima ou vulgar e degradante são aceitas como legítimas formas de expressão sexual em qualquer relacionamento.

O que por qualquer outro padrão seria considerado “normal” é agora muito indesejável, muito chato. Portanto, foi substituído pelo que é invasor e degradante.

Pornografia é inerentemente violenta, intrinsecamente desamor. É uma perversão da sexualidade, não uma verdadeira forma dela, e algo que ensina a violência e degradação em detrimento do prazer mútuo e intimidade. É sobre conquistas. É o oposto da intenção de Deus para o sexo. A pornografia desvincula o amor do sexo, deixando o sexo como a satisfação imediata dos desejos mais básicos. Ela vive para além das regras e da ética e da moralidade. Ela existe muito além do amor. E ainda inúmeros jovens, mesmo jovens cristãos, estão vindo para o casamento trazendo consigo toda essa bagagem pornográfica. Depois de ter visto milhares de atos sexuais num cenário pornográfico, eles pesam sobre suas esposas a expectativa de ter uma atriz pornô. O jovem marido supõe ou demanda que sua mulher esteja disposta a fazer qualquer coisa, e que ela vai fazer tudo isso com a devida alegria e encorajamento, e que ela será tão disposta e desejosa e qualificada como as mulheres que ele viu numa tela.

Minha grande preocupação com os jovens de hoje (que é realmente mais uma preocupação para as mulheres que serão em breve as suas jovens esposas) é que talvez inadvertidamente, ou talvez intencionalmente pornifiquem o leito conjugal. Eles podem trazer impureza ao puro, egoísmo ao altruísmo. Tendo-se entregue à pornografia, tiveram toda a sua percepção da sexualidade alterada, moldada por pornografia profissional. Eles poderão em breve impor sobre suas jovens noivas a expectativa impossível de uma estrela pornô. Com a grande maioria dos jovens tendo sido expostos à pornografia (pelo menos 90% de acordo com estudos recentes), e com uma grande percentagem deles tendo sido viciados nela, e com muitos a apreciá-la mesmo depois que entram no casamento, eles precisam ter sua compreensão e suas expectativas redefinidas de acordo com Aquele que criou o sexo.

Quando uma pessoa se torna viciada em drogas, ela tem que passar por um processo chamado de desintoxicação. No processo de desintoxicação o corpo da pessoa é limpo da droga de que se tornou dependente. É um processo difícil em que se abandona as velhas realidades e se abraça um novo padrão.

Muitos jovens precisam de uma espécie de desintoxicação sexual antes que eles estejam preparados para ser o tipo de marido puro, amoroso, atencioso, sacrificial que Deus os chama a ser. Neste livrinho curto, voltado especificamente para jovens que são solteiros, ou noivos, ou à procura de encontrar essa mulher especial, no futuro próximo, espero poder ajudá-los a reorientar a sua compreensão do sexo, tanto no quadro geral quanto no ato em si, de acordo com o plano de Deus para este grande dom. Eu vou ajudá-lo a se desintoxicar de todo o lixo que você viu, de todas as mentiras em que você acreditou.

Traduzido por Gustavo Vilela | iPródigo

Notas:
Esta série foi originalmente publicada por Tim Challies em seis partes (a primeira aqui) e mais tarde foi compilada em dois e-books, disponíveis em formato PDF neste link.

Aqui no iPródigo, a série – que será postada semanalmente, se o Senhor o permitir,- foi traduzida do e-book para rapazes solteiros.

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Fontes: Semeando ,  iPródigo

(Grã Bretanha, 2004, 84 min. - Diretor: Robert Kane Pappas)

"Mentiras podem tornar-se verdades?
Explore o que a mídia não gosta de discutir: dela mesmo."

Orwell está se Revirando no Túmulo" (por causa da obra de Orwell "1984", que mostrava a centralização da informação pelo poder dominante) é um documentário que desnuda a mídia tradicional americana mostrando todo o lado corrupto e mesquinho dessa instituição, que cada vez mais está nas mãos de menos donos. Monopólios e oligopólios controlam a opinião das pessoas, escondendo informações, distorcendo fatos, destruindo a democracia. "Goebbels, chefe da mídia nazista, ficaria com inveja de tamanho poder alcançado por ela hoje".

O Documentário também alerta para a janela que se abriu para combater esse quadro: a Internet. Essa é uma excelente oportunidade de agirmos antes que ela se feche.

"Nós equivocadamente pensamos em nosso país como uma democracia, quando na verdade tornou-se uma midiacracia: onde a imprensa, que supostamente deveria verificar o abuso político, faz parte do abuso político" - Danny Schecter

E a mídia tradicional, é diferente disso? Analise e tire suas conclusões.



Fontes: Doc Verdade , Youtube

Orwell está se Revirando no Túmulo - Orwell Rolls In His Grave (2004)

(Grã Bretanha, 2004, 84 min. - Diretor: Robert Kane Pappas)

"Mentiras podem tornar-se verdades?
Explore o que a mídia não gosta de discutir: dela mesmo."

Orwell está se Revirando no Túmulo" (por causa da obra de Orwell "1984", que mostrava a centralização da informação pelo poder dominante) é um documentário que desnuda a mídia tradicional americana mostrando todo o lado corrupto e mesquinho dessa instituição, que cada vez mais está nas mãos de menos donos. Monopólios e oligopólios controlam a opinião das pessoas, escondendo informações, distorcendo fatos, destruindo a democracia. "Goebbels, chefe da mídia nazista, ficaria com inveja de tamanho poder alcançado por ela hoje".

O Documentário também alerta para a janela que se abriu para combater esse quadro: a Internet. Essa é uma excelente oportunidade de agirmos antes que ela se feche.

"Nós equivocadamente pensamos em nosso país como uma democracia, quando na verdade tornou-se uma midiacracia: onde a imprensa, que supostamente deveria verificar o abuso político, faz parte do abuso político" - Danny Schecter

E a mídia tradicional, é diferente disso? Analise e tire suas conclusões.



Fontes: Doc Verdade , Youtube

Por: Ordem Natural

Estou lançando meu novo livro, Introdução à Nova Ordem Mundial. O objetivo deste projeto é disseminar informações vitais para a compreensão do panorama político internacional.

O livro é resultado de quase 12 anos de pesquisa. Neste período atravessei cerca de 200 livros e pelo menos 100 documentários, além de palestras, entrevistas, declarações públicas e notícias ausentes da grande imprensa nacional. Veja a lista com as obras AQUI.

A intenção do trabalho é introduzir o leitor em um assunto que considero o mais importante dos nossos dias: os fenômenos relacionados à Nova Ordem Mundial, uma mudança civilizacional que vai transformar a vida de todos.

Para cumprir essa tarefa que considero minha missão, tentei simplificar ao máximo a abordagem e restringi minhas opiniões sempre que possível, por isso o livro tem uma linguagem simples e direta, de forma a permitir que o leitor tire suas próprias conclusões diante dos fatos apresentados.

Introdução à Nova Ordem Mundial reúne quase uma centena de tópicos e ainda lista outros assuntos necessários para entender o que está acontecendo de fato com o mundo em que vivemos. Estes tópicos, quando compreendidos e conectados, demonstram que caminhamos para um governo mundial que vai diminuir a liberdade individual e o livre arbítrio, além de destruir os valores que sustentaram o Ocidente há milênios e substituí-los por um novo conjunto de princípios quase sempre contrários aos valores que comungam a maioria absoluta das pessoas.

A obra destaca os círculos do poder mundial, as dinastias, as sociedades secretas, as mudanças legislativas e as tendências coletivistas, o fim da privacidade e a destruição das soberanias nacionais. Também explica o que são e como agem organismos como Federal Reserve, Clube Bilderberg, CFR, Diálogo Interamericano e Comissão Trilateral, além de iniciativas como os ataques de bandeira falsa, o Codex Alimentarius, os rastros químicos, o HAARP e muitos outros assuntos pouco falados na mídia.

Para completar o livro reúne dezenas de declarações dos próprios planejadores e executores do projeto de implantação do governo mundial e uma relação com mais de 200 obras para quem pretende se aprofundar no assunto.

4ª capa do livro:
O mundo vive uma transformação sem precedentes. Todas as estruturas políticas, culturais e morais que durante séculos sustentaram a sociedade estão sendo destruídas e substituídas por uma Nova Ordem Mundial totalitária e repressora, que vai modificar o dia-a-dia de maneira profunda e irreversível. Conheça os objetivos, os métodos e os personagens desta mudança civilizacional que atingirá a todos em um futuro próximo.

Orelha do livro:
Consciente dos meus limites, procurei restringir as observações ao mínimo necessário, dando mais espaço e importância aos fatos. Entre tantos outros, selecionei tópicos imprescindíveis à compreensão do mundo em que vivemos e, muito provavelmente, do mundo em que viveremos no futuro.

Não pretendo provar nada nem persuadir quem quer que seja. O convencimento depende do interesse pessoal e da vontade íntima de procurar a verdade contida nos fatos e não em slogans baratos e conceitos abstratos. Esta coleção de tópicos foi feita para servir de porta de entrada para a compreensão da atual mudança civilizacional que atravessamos.

Capa do livro Introdução à Nova Ordem Mundial.



Clique aqui para comprar o livro com frete grátis para todo Brasil:

http://rarosdaweb.org/index.php?route=product/product&product_id=112

Fonte: Ordem Natural

Livro: Introdução à Nova Ordem Mundial

Por: Ordem Natural

Estou lançando meu novo livro, Introdução à Nova Ordem Mundial. O objetivo deste projeto é disseminar informações vitais para a compreensão do panorama político internacional.

O livro é resultado de quase 12 anos de pesquisa. Neste período atravessei cerca de 200 livros e pelo menos 100 documentários, além de palestras, entrevistas, declarações públicas e notícias ausentes da grande imprensa nacional. Veja a lista com as obras AQUI.

A intenção do trabalho é introduzir o leitor em um assunto que considero o mais importante dos nossos dias: os fenômenos relacionados à Nova Ordem Mundial, uma mudança civilizacional que vai transformar a vida de todos.

Para cumprir essa tarefa que considero minha missão, tentei simplificar ao máximo a abordagem e restringi minhas opiniões sempre que possível, por isso o livro tem uma linguagem simples e direta, de forma a permitir que o leitor tire suas próprias conclusões diante dos fatos apresentados.

Introdução à Nova Ordem Mundial reúne quase uma centena de tópicos e ainda lista outros assuntos necessários para entender o que está acontecendo de fato com o mundo em que vivemos. Estes tópicos, quando compreendidos e conectados, demonstram que caminhamos para um governo mundial que vai diminuir a liberdade individual e o livre arbítrio, além de destruir os valores que sustentaram o Ocidente há milênios e substituí-los por um novo conjunto de princípios quase sempre contrários aos valores que comungam a maioria absoluta das pessoas.

A obra destaca os círculos do poder mundial, as dinastias, as sociedades secretas, as mudanças legislativas e as tendências coletivistas, o fim da privacidade e a destruição das soberanias nacionais. Também explica o que são e como agem organismos como Federal Reserve, Clube Bilderberg, CFR, Diálogo Interamericano e Comissão Trilateral, além de iniciativas como os ataques de bandeira falsa, o Codex Alimentarius, os rastros químicos, o HAARP e muitos outros assuntos pouco falados na mídia.

Para completar o livro reúne dezenas de declarações dos próprios planejadores e executores do projeto de implantação do governo mundial e uma relação com mais de 200 obras para quem pretende se aprofundar no assunto.

4ª capa do livro:
O mundo vive uma transformação sem precedentes. Todas as estruturas políticas, culturais e morais que durante séculos sustentaram a sociedade estão sendo destruídas e substituídas por uma Nova Ordem Mundial totalitária e repressora, que vai modificar o dia-a-dia de maneira profunda e irreversível. Conheça os objetivos, os métodos e os personagens desta mudança civilizacional que atingirá a todos em um futuro próximo.

Orelha do livro:
Consciente dos meus limites, procurei restringir as observações ao mínimo necessário, dando mais espaço e importância aos fatos. Entre tantos outros, selecionei tópicos imprescindíveis à compreensão do mundo em que vivemos e, muito provavelmente, do mundo em que viveremos no futuro.

Não pretendo provar nada nem persuadir quem quer que seja. O convencimento depende do interesse pessoal e da vontade íntima de procurar a verdade contida nos fatos e não em slogans baratos e conceitos abstratos. Esta coleção de tópicos foi feita para servir de porta de entrada para a compreensão da atual mudança civilizacional que atravessamos.

Capa do livro Introdução à Nova Ordem Mundial.



Clique aqui para comprar o livro com frete grátis para todo Brasil:

http://rarosdaweb.org/index.php?route=product/product&product_id=112

Fonte: Ordem Natural

O australiano Julian Assange ficou mundialmente conhecido como o editor-chefe do site WikiLeaks, que há pouco mais de dois anos passou a divulgar milhares de documentos secretos do governo dos Estados Unidos, muitos dos quais relativos aos despachos de diplomatas sobre suas atividades em outros países. Perseguido pelo governo estadunidense e ameaçado de prisão na Europa, ele está asilado há quase um ano na embaixada do Equador, em Londres.

Defensor da liberdade de expressão na Internet e militante do movimento cypherpunk, que prega a adoção da criptografia (linguagem cifrada) para proteger a privacidade dos indivíduos, empresas e estados, Assange reuniu, em 20 de março de 2012 (quando se encontrava em prisão domiciliar no Reino Unido), três amigos e colegas especializados e dedicados à Internet, para um debate sobre a situação e o futuro da rede, especialmente no que diz respeito ao enfrentamento do crescente domínio autoritário do que circula no ciberespaço.

O encontro resultou no livro “Cypherpunks – Liberdade e o Futuro da Internet”, de Julian Assange, Jacob Appelbaum, Andy Müller-Maguhn e Jérémie Zimmermann, lançado no Brasil pela Boitempo Editorial, com apresentação da jornalista Natália Viana e prefácio e introdução do próprio Assange.

É exatamente no prefácio para a América Latina, datado de janeiro de 2013, que o criador do WikiLeaks avança na análise da dimensão política da Internet num mundo marcado pela desigualdade entre países, com diferenças e domínios estabelecidos pela tecnologia, capacidade financeira, poderio militar etc. Para ele, a luta por soberania, agora, precisa levar em conta a autonomia e a proteção de cada país contra o enorme sistema de vigilância criado em toda a rede, controlado pelos Estados Unidos e alguns grupos privados.

Diz Assange: “A vigilância de uma população inteira por uma potência estrangeira naturalmente ameaça a soberania. Intervenção após intervenção nas questões da democracia latino-americana nos ensinaram a ser realistas. Sabemos que as antigas potências colonialistas usarão qualquer vantagem que tiverem para suprimir a independência latino-americana”.

Mais adiante, ele lembra que todos os caminhos da Internet na América Latina, via fibra óptica ou satélites, passam pelos Estados Unidos, e que “Todos os dias centenas de milhões de mensagens vindas de todo o continente latino-americano são devoradas por órgãos de espionagem norte-americanos e armazenadas para sempre em depósitos do tamanho de cidades”.

É claro que os governos negligentes com a soberania de seus países, ou alheios aos projetos nacionais, não se importam com esse tipo de apropriação e controle estratégicos. Ao mesmo tempo, segundo Assange, governos e militares latino-americanos que adquiriram, no mercado, programas criptográficos para a proteção de seus segredos de Estado, foram simplesmente logrados – porque a maior parte das empresas que vende tais dispositivos “possuem vínculos estreitos com a comunidade de inteligência norte-americana”. Assim, o que deveria proteger segredos, serve para roubar segredos.

Ao defender a criptografia – contra a vigilância da Internet – para proteger as liberdades civis e individuais, assim como a soberania e independência dos países, o editor-chefe do WikiLeaks afirma: “Ela {a criptografia} pode ser utilizada para combater não apenas a tirania do Estado sobre os indivíduos, mas a tirania do império sobre a colônia”.

O livro é mais um alerta para todos nós, cidadãos, que utilizamos diariamente a rede mundial. E é também um bom puxão de orelhas nos governos que, ingenuamente, ainda não se deram conta do novo campo de atuação do imperialismo. Alertar não faz mal a ninguém.



DEVASTAÇÃO: Estive lendo durante minha última viagem a trabalho e achei muito interessante o resgate de informações que não estão noticiando na mídia a respeito do escândalo do monitoramento da NSA denunciado por Edward Snowden. Desde de 2005 outras pessoas sofrem perseguições por delatarem este órgão e o envolvimento de outras corporações na espionagem de dados na internet e telefonia, sendo que alguns destes estão com os seus processos ativos nos EUA. O livro lançado ano passado já descrevia o funcionamento da NSA e o envolvimento de empresas como Google, AT&T entre outras milhares. É um futuro assustador e o pior, inevitável na minha opinião.

(Roberto)

Fontes: Devastação , Anonymous Brasil

Cypherpunks – Liberdade e o Futuro da Internet

O australiano Julian Assange ficou mundialmente conhecido como o editor-chefe do site WikiLeaks, que há pouco mais de dois anos passou a divulgar milhares de documentos secretos do governo dos Estados Unidos, muitos dos quais relativos aos despachos de diplomatas sobre suas atividades em outros países. Perseguido pelo governo estadunidense e ameaçado de prisão na Europa, ele está asilado há quase um ano na embaixada do Equador, em Londres.

Defensor da liberdade de expressão na Internet e militante do movimento cypherpunk, que prega a adoção da criptografia (linguagem cifrada) para proteger a privacidade dos indivíduos, empresas e estados, Assange reuniu, em 20 de março de 2012 (quando se encontrava em prisão domiciliar no Reino Unido), três amigos e colegas especializados e dedicados à Internet, para um debate sobre a situação e o futuro da rede, especialmente no que diz respeito ao enfrentamento do crescente domínio autoritário do que circula no ciberespaço.

O encontro resultou no livro “Cypherpunks – Liberdade e o Futuro da Internet”, de Julian Assange, Jacob Appelbaum, Andy Müller-Maguhn e Jérémie Zimmermann, lançado no Brasil pela Boitempo Editorial, com apresentação da jornalista Natália Viana e prefácio e introdução do próprio Assange.

É exatamente no prefácio para a América Latina, datado de janeiro de 2013, que o criador do WikiLeaks avança na análise da dimensão política da Internet num mundo marcado pela desigualdade entre países, com diferenças e domínios estabelecidos pela tecnologia, capacidade financeira, poderio militar etc. Para ele, a luta por soberania, agora, precisa levar em conta a autonomia e a proteção de cada país contra o enorme sistema de vigilância criado em toda a rede, controlado pelos Estados Unidos e alguns grupos privados.

Diz Assange: “A vigilância de uma população inteira por uma potência estrangeira naturalmente ameaça a soberania. Intervenção após intervenção nas questões da democracia latino-americana nos ensinaram a ser realistas. Sabemos que as antigas potências colonialistas usarão qualquer vantagem que tiverem para suprimir a independência latino-americana”.

Mais adiante, ele lembra que todos os caminhos da Internet na América Latina, via fibra óptica ou satélites, passam pelos Estados Unidos, e que “Todos os dias centenas de milhões de mensagens vindas de todo o continente latino-americano são devoradas por órgãos de espionagem norte-americanos e armazenadas para sempre em depósitos do tamanho de cidades”.

É claro que os governos negligentes com a soberania de seus países, ou alheios aos projetos nacionais, não se importam com esse tipo de apropriação e controle estratégicos. Ao mesmo tempo, segundo Assange, governos e militares latino-americanos que adquiriram, no mercado, programas criptográficos para a proteção de seus segredos de Estado, foram simplesmente logrados – porque a maior parte das empresas que vende tais dispositivos “possuem vínculos estreitos com a comunidade de inteligência norte-americana”. Assim, o que deveria proteger segredos, serve para roubar segredos.

Ao defender a criptografia – contra a vigilância da Internet – para proteger as liberdades civis e individuais, assim como a soberania e independência dos países, o editor-chefe do WikiLeaks afirma: “Ela {a criptografia} pode ser utilizada para combater não apenas a tirania do Estado sobre os indivíduos, mas a tirania do império sobre a colônia”.

O livro é mais um alerta para todos nós, cidadãos, que utilizamos diariamente a rede mundial. E é também um bom puxão de orelhas nos governos que, ingenuamente, ainda não se deram conta do novo campo de atuação do imperialismo. Alertar não faz mal a ninguém.



DEVASTAÇÃO: Estive lendo durante minha última viagem a trabalho e achei muito interessante o resgate de informações que não estão noticiando na mídia a respeito do escândalo do monitoramento da NSA denunciado por Edward Snowden. Desde de 2005 outras pessoas sofrem perseguições por delatarem este órgão e o envolvimento de outras corporações na espionagem de dados na internet e telefonia, sendo que alguns destes estão com os seus processos ativos nos EUA. O livro lançado ano passado já descrevia o funcionamento da NSA e o envolvimento de empresas como Google, AT&T entre outras milhares. É um futuro assustador e o pior, inevitável na minha opinião.

(Roberto)

Fontes: Devastação , Anonymous Brasil


Quando você pensa em eletricidade, pensa em Edson, quando pensa em rádio, pensa em Marconi.

Mas existe um gênio da eletricidade que está quase esquecido, um homem que sonhou dar ao mundo um suprimento ilimitado de energia. Seu nome era Nicola Tesla e ele foi o mestre dos raios.

O trabalho do excêntrico inventor Nikola Tesla é fundamental para a forma como os americanos viveram no século 20. Seus experimentos pavimentou o caminho para o neon, rádio e luzes fluorescentes, controles remotos, e uma melhor compreensão de energia elétrica em si.

Não foi fácil para Tesla ser o inovador que era, ele enfrentou oposição de pesos pesados ​​como o JP Morgan e Thomas Edison.

Obs: Ative a legenda caso ela não aparece automaticamente




Fonte:
Documentarios Varios

Documentário: Tesla Mestre dos Raios


Quando você pensa em eletricidade, pensa em Edson, quando pensa em rádio, pensa em Marconi.

Mas existe um gênio da eletricidade que está quase esquecido, um homem que sonhou dar ao mundo um suprimento ilimitado de energia. Seu nome era Nicola Tesla e ele foi o mestre dos raios.

O trabalho do excêntrico inventor Nikola Tesla é fundamental para a forma como os americanos viveram no século 20. Seus experimentos pavimentou o caminho para o neon, rádio e luzes fluorescentes, controles remotos, e uma melhor compreensão de energia elétrica em si.

Não foi fácil para Tesla ser o inovador que era, ele enfrentou oposição de pesos pesados ​​como o JP Morgan e Thomas Edison.

Obs: Ative a legenda caso ela não aparece automaticamente




Fonte:
Documentarios Varios

A Terceira Vaga é um livro publicado em 1980 por Alvin Toffler. Com ar futurista, baseia-se na história da humanidade para descrever a configuração que tomará o mundo uma vez superada a era industrial, o que significa ao mesmo tempo a superação das ideologias, modelos de governo, economia, comunicações e sociedades estruturadas ao redor da produção centralizada, por exemplo, o industrialismo capitalista e comunista.

Apesar de ter várias décadas, o conceito expresso em muitos aspectos, é bastante actual. A sua leitura permite entender que processos como a globalização estão mais perto da evolução humana ou da evolução cultural, que de uma conspiração de poderosos.

Ouvi uma entrevista de Carlos Vaz Marques em 2008, na TSF, no programa "Pessoal e Transmissível" a Alvin e Heidi Toffler e tenho muitas vezes pensado nas suas palavras, pesquisei e resolvi ouvir de novo a entrevista que recomendo vivamente,
"Nós escrevemos um livro, fizemos um filme e fomos à China. Eu sabia que se a China adoptasse o livro e fizesse a divulgação necessária, as nossas ideias iriam mudar a China... e mudaram!" Heidi Toffler
Só soubemos do impacto das nossas ideias anos mais tarde. Do livro foram tirados no início, 3000 exemplares para os mais importantes do Comité do Partido Comunista Chinês. Depois disso, o livro foi publicado em tiragens de milhões de cópias e amplamente difundidos nos meios escolares e por toda a China, um país conservador e com receio de mudança. Foi dos livros mais vendidos na China e no Mundo e nós não ganhamos um tostão!

Não acreditamos em análises de tendência porque são projecções lineares. Essa é a forma mais comum de projecção e erram sempre. As tendências tem de ser projectadas em espirais. De fora conseguimos ver como as coisas vão evoluir. Dentro somos influenciados por várias coisas, como a tradição por exemplo.

A União Europeia não quer acompanhar a Terceira Vaga. Entristece-me o facto quee há dez anos atrás, em 1998 na cimeira de Lisboa da União Europeia, tenham mostrado interesse na Terceira Vaga e tempos mais tarde tenham dito que ainda estavam muito atrasados na implementação dessa teoria social. A Europa é muita velha e tem medo da aventura, da inovação, devido à tradição, mas a China é ainda mais velha. Na Terceira Vaga, a China vai na frente. A UE começa agora a acordar. O mais difícil vai ser mudar as Instituições. Não podemos mudar se não mudarmos o Sistema Político. A burocracia é um entrave. Estamos a assistir ao desmoronamento das instituições burocráticas. A burocracia não se consegue adaptar. São arranjos e invenções num contexto de sociedade em forma de pirâmide e que se está a desmoronar. Temos de alterar o nosso sistema educativo, isso é fundamental. Não Queremos um sistema escolar que crie pessoas jovens para um sistema fabril, repetitivo e desumano, para isso foram criadas as máquinas. Isso já não é possível. Vamos ter de inventar novos sistemas educativos, para jovens não automatizados pelo sistema capitalista. A parte humana é agora o conhecimento

"Não há almoços grátis", uma máxima que não faz sentido. Estamos a caminhar para um estádio muito penoso para muitos e que já o é para muitos outros, mas que será benéfico para a espécie humana no futuro. A riqueza não pode ser medida em valor monetário. Os economistas trabalham com base em ideias que foram criadas no inicio da Revolução Industrial, mas que são obsoletas, por isso e para eles, essa velha máxima faz sentido. Têm de alterar a bibliografia básica. Vamos para uma economia baseada no conhecimento. O petróleo esgota-se mas a geometria não. O conhecimento é "o almoço grátis".

"Caminhamos para a desmaterialização. Os valores materiais não estão mortos, mas caminhamos para a desmaterialização. Ainda há muita gente que mede a sua riqueza pela conta no banco. Os mais ricos não precisam de mais dinheiro, mas querem-no e perseguem-no. É um jogo que jogam com outros como eles a ver quem ganha. É uma forma de provarem a sua masculinidade. É fruto da educação da competição capitalista. Apenas um jogo viciante."

"Teremos terríveis convulsões e muito sofrimento mas talvez ao fim de um século a humanidade terá dado um importante salto para a humanidade a nível espiritual."»

Ironicamente Alvin Toffler foi considerado e catalogado como escritor de ficção.

A Terceira Vaga é uma obra explosiva que altera dramaticamente a maneira como cada qual se vê a si próprio e analisa o mundo que o rodeia. Antevê a economia do mundo do futuro e o sentido de personalidade individual e familiar numa sociedade pós-nuclear, assim como as atitudes sexuais dos humanos vindouros, as suas preferências no campo da política, do trabalho e dos lazeres. A Terceira Vaga é pois uma antecipação iluminada do amanhã.

Primeira Vaga
Alvin Toffler chama Primeira Vaga ao período em que surgiu a revolução agrícola (desde o ano 8000 a.c. até ao século XVII). Supera-se a etapa da caça e pesca e nasce a agricultura. Como consequência disso:
  • Surgem novas estruturas como o comércio e as primeiras aldeias.
  • O homem começa a abandonar a sua condição de nómada para adquirir o estilo de vida sedentário.
  • O homem já não aceita o meio que o rodeia, e começa a transformá-lo. Desenvolve-se a agricultura, a pecuária, a tecelagem.
  • Nasce o conceito de trabalho
  • Começa o crescimento demográfico
Consequências: surge a necessidade de criar novas estruturas para organizar a crescente sociedade. Assim nasce a navegação, o comércio e a urbanização

Economia e produção

O sistema produtivo da primeira Vaga baseia-se no conceito de "prosumidor" (fusão entre Produtor e Consumidor): A unidade económica produzia para si mesma, e portanto "vivia do seu". A única fonte de energia era o esforço físico humano e animal.
A unidade económica da Primeira Onda era pequena e auto-suficiente. Geralmente a unidade económica era a família que vivia do que cultivava nos campos. Noutros casos a unidade económica era o feudo, igualmente auto-suficiente.

Sociedade

Durante a Primeira Vagaa a população podia-se distinguir entre "primitiva" e "civilizada". As primeiras caracterizavam-se por viver em pequenos grupos e tribos e viviam principalmente da caça e pesca. A população "civilizada" caracterizava-se por trabalhar principalmente no cultivo dos solos (a agricultura) causa que deslocou as actividades de caça e pesca e que modificou as estruturas.

Comunicações

A dinâmica de comunicação da Primeira Vaga era a comunicação um para um. Existiam escribas e mensageiros que se dirigiam a uma zona para obter informação e a levar para outra.

Energia

A principal fonte de energia era o esforço físico humano e animal, um aproveitamento primitivo de fenómenos naturais dependentes do sol, do vento, das chuvas ou das marés.

Segunda Vaga

Surge entre os anos 1650-1750, com a Revolução industrial. Esta revolução não só muda a forma de produzir bens, como a organização do mundo. O desenvolvimento de novas tecnologias fizeram com que se criassem gigantescas máquinas electromecânicas. Entre os factores mais relevantes que deram origem a esta Era, estão a máquina a vapor e a imprensa, ambos substituíram o trabalho manual e tiveram enorme impacto no desenvolvimento social.

Consequências disso:
  • Surgem enormes centros urbanos com uma área metropolitana
  • Aparece a máquina. Esta substitui o esforço humano
  • Nasce o conceito de produção em corrente ou produção em série
  • Intensificam-se os meios de comunicação físicos, graças ao caminho-de-ferro, automóvel e barco a vapor
  • Nasce a exploração de recursos naturais como fonte de energia ou matéria prima
  • Nasce o conceito de produtor e de consumidor, separando ao mundo entre grandes comércios e grandes fábricas
  • Intensifica-se o crescimento demográfico
  • A produção e distribuição de bens e de informação passam a ser em massa

Economia e produção

Segundo Alvin Toffler, aparece um "cunho invisível" na sociedade, que a divide entre produtores e consumidores. Enormes fábricas dedicavam-se a fabricar bens para consumidores inconscientes dos mecanismos de obtenção do produto.
A produção é em massa e em série.
A unidade económica da Segunda Vaga é a corporação: enormes organizações com grandes quantidades de capital para investir nas indústrias e comércio.

Sociedade

A modificação do esquema produtivo gerou a necessidade de criar novas estruturas sociais:
  • Trabalho por jornada: o conceito de sincronização leva a gerar um trabalho por jornada horária, cujo centro físico passou a ser a indústria e tudo o que dependa dela. Nasce a inter-dependencia, o esforço colectivo e a divisão do trabalho onde os operários apenas participam numa pequena facção do produto
  • Família nuclear: Este tipo de família surge fruto das necessidades que exige esta sociedade. A família extensa antiga era demasiado rígida. Deu-se a necessidade de eliminar os parentes que não fossem essenciais à sobrevivência, para conseguir um grupo com mais facilidade de deslocação de uma cidade a outra. Neste tipo de família, um conjuge (geralmente a mãe) é o núcleo do lar. O outro conjuge (geralmente o pai) trabalha fora do mesmo. A composição de família nuclear idealizada pelo industrialismo é: pai - mãe - 2 filhos.
  • Educação: ao igual que a produção, a educação foi separada da vida familiar dando lugar ao surgimento de escolas e de programas uniformes. Com a educação escolar impunham-se também estruturas próprias da vida industrial: pontualidade, obediência e trabalho repetitivo.

Em todos os aspectos da sociedade se apresentavam as mesmas características:
  • Uniformização: Para o mesmo fim utilizavam-se os mesmos procedimentos. Estabeleceu-se um sistema de leis e regulamentos que actuavam por igual para todas as pessoas. Nasceram os standards, os formulários, os programas de educação, etc
  • Sincronização: Começou-se a utilizar o horário como esquema de organização. Entradas e saídas do trabalho ou escola a uma hora determinada e produção sincronizada com outra produção dependente dela.
  • Massificação: A produção em série aumentou a capacidade de gerar bens, que se produziam a grande escala de maneira uniforme. Assim, uma empresa fazia bolachas para todo um país; enquanto jornal dava as notícias a um país inteiro, informando milhões.
  • Centralização: geraram-se grandes centros urbanos que concentravam toda a produção e quase toda a população.

Na Revolução Industrial no século XVII impôs-se o cunho invisível, como diz Toffler, no intuito de construir uma sociedade industrial, que tanto foi implementada pela Direita conservadora como pela Esquerda socialista na ex URSS.
Na segunda vaga os Estados tornam-se laicos, disseminou-se a democracia, as repúblicas e o sufrágio universal. A nova filosofia já não valoriza o indivíduo pelo seu nascimento mas sim pelo que pode produzir e pela sua eficiência. Propaga-se o ensino gratuito, universal e em particular profissionalizante.

Comunicações

A dinâmica de comunicação da Segunda Vaga é a comunicação um para vários. Com a invenção da imprensa surge o jornal e depois, os meios de comunicação de massas (também mass média). A rádio e mais tarde a televisão terminam por configurar o conceito. Neste período um, ou uns poucos jornalistas publicavam a informação que consumiriam milhares ou milhões de pessoas. Segundo o autor, não é casualidade que, ao igual que a produção, a informação esteja massificada.

Energia


A energia da Segunda Vaga depende de fontes não renováveis, geralmente de origem mineral como é o carvão, o petróleo e a energia nuclear.

Terceira Vaga


As mudanças que o mundo está a viver nos últimos 40 anos, que têm sido catalogados em muitos casos de "desmoralizadores", na realidade só rompem paradigmas que a segunda vaga nos impôs. E anunciam que a terceira vaga já chegou e estamos a cada vez mais submersos nela.
Caracterizam à terceira vaga a desarticulação e estruturas da Segunda Vaga, a saber:
  • Descentralização
  • "Desmassificação"
  • Personalização
Economia e produção da Terceira Vaga

A produção em série será complementada com a produção em séries curtas. A produção já não se dedica a fazer dezenas de milhares de unidades de um único produto, mas centenas de unidades de centenas de produtos. Assim encontraremos produtos cada vez mais personalizados. Na Terceira Vaga fundamentalmente amplificar-se-à a força mental do ser humano. Os sistemas cibernéticos, computadores, sistemas de comunicação, internet, etc. funcionarão como amplificadores da força mental. Exemplo: podem-se criar programas de computação que são capazes de criar outros programas. Um paralogismo da Segunda Vaga seria o torno, já que foi uma ferramenta que pôde criar outras ferramentas.

Sociedade da Terceira Vaga


A família nuclear cede o seu lugar a infinidade de tipos de famílias. Famílias mono-parentais, individuais, convivência estável entre amigos, convivência entre pessoas do sexo oposto com ou sem relações sexuais, famílias tipo: filho - mãe - avó e/ou filho - mãe - tia, etc.
Nasce a cultura "sem filhos".
O trabalho infantil deixará de ser castigado para passar a ser estimulado. Segundo o autor, homenzitos de 14 anos estarão melhor qualificados para vender computadores que muitos adultos.
Um dos males a combater na Terceira Vaga é a solidão. Isso devido à falta de estrutura que havia na Segunda Vaga e à falta de necessidade de se relacionar.

Comunicações da Terceira Vaga

A dinâmica de comunicação da Terceira Vaga é a comunicação de vários para vários. Como a produção, os meios vão-se "desmassificando". Uma infinidade de revistas especializadas em temas específicos, numerosos canais de televisão por cabo e satélite, a capacidade dos computadores de comunicar; fazem com que a comunicação seja personalizada, e com que o consumidor já não se limite a aceitar "tal e qual vem". Agora o espectador pode intervir nos diários que lê e nos programas de televisão a que assiste.

Entretanto e durante a minha pesquisa vi esta notícia sobre Heidi e Alvin Toffler:

Alvin e Heidi Toffler
Toffler alerta para «mudanças caóticas» no Mundo

O investigador e futurista norte-americano Alvin Toffler alertou hoje para as “mudanças caóticas no mundo” ao falar sobre “um novo contexto estranho”, na conferência “Bioeconomia: a 4/a Vaga”, realizada na Reitoria da Universidade de Lisboa.

Acompanhado pela mulher Heidi, sua “cara-metade” em todo o trajecto profissional, Toffler, 79 anos (agora com 83 anos), começou por alertar - na abertura do III Congresso da Ordem dos Biólogos - para a “mudança da existência humana” decorrente do paradigma em que a biologia se imiscui na tecnologia.
"A solidão é agora tão difundida que se tornou paradoxalmente uma experiência compartilhada." Alvin Toffler

“O emprego é o resultado líquido de muitas políticas convergentes.” Alvin Toffler
Entretanto aqui está a confirmação do livro de Alvin e Heidi Toffler de 1980, A Terceira Vaga:

"Enquanto a Europa definha e empobrece, a China segue em frente, apresentando-se como a potência para a qual, tudo indica, dentro dos próximos 20 anos se verificará uma tranferência total (ou quase) do centro de gravidade económico e financeiro." por Milam do blogue A Insustentável Beleza dos Seres



Fontes:
Guerra silenciosa , Ciencia hoje , Tsf

A Terceira Vaga e o alerta de mudança

A Terceira Vaga é um livro publicado em 1980 por Alvin Toffler. Com ar futurista, baseia-se na história da humanidade para descrever a configuração que tomará o mundo uma vez superada a era industrial, o que significa ao mesmo tempo a superação das ideologias, modelos de governo, economia, comunicações e sociedades estruturadas ao redor da produção centralizada, por exemplo, o industrialismo capitalista e comunista.

Apesar de ter várias décadas, o conceito expresso em muitos aspectos, é bastante actual. A sua leitura permite entender que processos como a globalização estão mais perto da evolução humana ou da evolução cultural, que de uma conspiração de poderosos.

Ouvi uma entrevista de Carlos Vaz Marques em 2008, na TSF, no programa "Pessoal e Transmissível" a Alvin e Heidi Toffler e tenho muitas vezes pensado nas suas palavras, pesquisei e resolvi ouvir de novo a entrevista que recomendo vivamente,
"Nós escrevemos um livro, fizemos um filme e fomos à China. Eu sabia que se a China adoptasse o livro e fizesse a divulgação necessária, as nossas ideias iriam mudar a China... e mudaram!" Heidi Toffler
Só soubemos do impacto das nossas ideias anos mais tarde. Do livro foram tirados no início, 3000 exemplares para os mais importantes do Comité do Partido Comunista Chinês. Depois disso, o livro foi publicado em tiragens de milhões de cópias e amplamente difundidos nos meios escolares e por toda a China, um país conservador e com receio de mudança. Foi dos livros mais vendidos na China e no Mundo e nós não ganhamos um tostão!

Não acreditamos em análises de tendência porque são projecções lineares. Essa é a forma mais comum de projecção e erram sempre. As tendências tem de ser projectadas em espirais. De fora conseguimos ver como as coisas vão evoluir. Dentro somos influenciados por várias coisas, como a tradição por exemplo.

A União Europeia não quer acompanhar a Terceira Vaga. Entristece-me o facto quee há dez anos atrás, em 1998 na cimeira de Lisboa da União Europeia, tenham mostrado interesse na Terceira Vaga e tempos mais tarde tenham dito que ainda estavam muito atrasados na implementação dessa teoria social. A Europa é muita velha e tem medo da aventura, da inovação, devido à tradição, mas a China é ainda mais velha. Na Terceira Vaga, a China vai na frente. A UE começa agora a acordar. O mais difícil vai ser mudar as Instituições. Não podemos mudar se não mudarmos o Sistema Político. A burocracia é um entrave. Estamos a assistir ao desmoronamento das instituições burocráticas. A burocracia não se consegue adaptar. São arranjos e invenções num contexto de sociedade em forma de pirâmide e que se está a desmoronar. Temos de alterar o nosso sistema educativo, isso é fundamental. Não Queremos um sistema escolar que crie pessoas jovens para um sistema fabril, repetitivo e desumano, para isso foram criadas as máquinas. Isso já não é possível. Vamos ter de inventar novos sistemas educativos, para jovens não automatizados pelo sistema capitalista. A parte humana é agora o conhecimento

"Não há almoços grátis", uma máxima que não faz sentido. Estamos a caminhar para um estádio muito penoso para muitos e que já o é para muitos outros, mas que será benéfico para a espécie humana no futuro. A riqueza não pode ser medida em valor monetário. Os economistas trabalham com base em ideias que foram criadas no inicio da Revolução Industrial, mas que são obsoletas, por isso e para eles, essa velha máxima faz sentido. Têm de alterar a bibliografia básica. Vamos para uma economia baseada no conhecimento. O petróleo esgota-se mas a geometria não. O conhecimento é "o almoço grátis".

"Caminhamos para a desmaterialização. Os valores materiais não estão mortos, mas caminhamos para a desmaterialização. Ainda há muita gente que mede a sua riqueza pela conta no banco. Os mais ricos não precisam de mais dinheiro, mas querem-no e perseguem-no. É um jogo que jogam com outros como eles a ver quem ganha. É uma forma de provarem a sua masculinidade. É fruto da educação da competição capitalista. Apenas um jogo viciante."

"Teremos terríveis convulsões e muito sofrimento mas talvez ao fim de um século a humanidade terá dado um importante salto para a humanidade a nível espiritual."»

Ironicamente Alvin Toffler foi considerado e catalogado como escritor de ficção.

A Terceira Vaga é uma obra explosiva que altera dramaticamente a maneira como cada qual se vê a si próprio e analisa o mundo que o rodeia. Antevê a economia do mundo do futuro e o sentido de personalidade individual e familiar numa sociedade pós-nuclear, assim como as atitudes sexuais dos humanos vindouros, as suas preferências no campo da política, do trabalho e dos lazeres. A Terceira Vaga é pois uma antecipação iluminada do amanhã.

Primeira Vaga
Alvin Toffler chama Primeira Vaga ao período em que surgiu a revolução agrícola (desde o ano 8000 a.c. até ao século XVII). Supera-se a etapa da caça e pesca e nasce a agricultura. Como consequência disso:
  • Surgem novas estruturas como o comércio e as primeiras aldeias.
  • O homem começa a abandonar a sua condição de nómada para adquirir o estilo de vida sedentário.
  • O homem já não aceita o meio que o rodeia, e começa a transformá-lo. Desenvolve-se a agricultura, a pecuária, a tecelagem.
  • Nasce o conceito de trabalho
  • Começa o crescimento demográfico
Consequências: surge a necessidade de criar novas estruturas para organizar a crescente sociedade. Assim nasce a navegação, o comércio e a urbanização

Economia e produção

O sistema produtivo da primeira Vaga baseia-se no conceito de "prosumidor" (fusão entre Produtor e Consumidor): A unidade económica produzia para si mesma, e portanto "vivia do seu". A única fonte de energia era o esforço físico humano e animal.
A unidade económica da Primeira Onda era pequena e auto-suficiente. Geralmente a unidade económica era a família que vivia do que cultivava nos campos. Noutros casos a unidade económica era o feudo, igualmente auto-suficiente.

Sociedade

Durante a Primeira Vagaa a população podia-se distinguir entre "primitiva" e "civilizada". As primeiras caracterizavam-se por viver em pequenos grupos e tribos e viviam principalmente da caça e pesca. A população "civilizada" caracterizava-se por trabalhar principalmente no cultivo dos solos (a agricultura) causa que deslocou as actividades de caça e pesca e que modificou as estruturas.

Comunicações

A dinâmica de comunicação da Primeira Vaga era a comunicação um para um. Existiam escribas e mensageiros que se dirigiam a uma zona para obter informação e a levar para outra.

Energia

A principal fonte de energia era o esforço físico humano e animal, um aproveitamento primitivo de fenómenos naturais dependentes do sol, do vento, das chuvas ou das marés.

Segunda Vaga

Surge entre os anos 1650-1750, com a Revolução industrial. Esta revolução não só muda a forma de produzir bens, como a organização do mundo. O desenvolvimento de novas tecnologias fizeram com que se criassem gigantescas máquinas electromecânicas. Entre os factores mais relevantes que deram origem a esta Era, estão a máquina a vapor e a imprensa, ambos substituíram o trabalho manual e tiveram enorme impacto no desenvolvimento social.

Consequências disso:
  • Surgem enormes centros urbanos com uma área metropolitana
  • Aparece a máquina. Esta substitui o esforço humano
  • Nasce o conceito de produção em corrente ou produção em série
  • Intensificam-se os meios de comunicação físicos, graças ao caminho-de-ferro, automóvel e barco a vapor
  • Nasce a exploração de recursos naturais como fonte de energia ou matéria prima
  • Nasce o conceito de produtor e de consumidor, separando ao mundo entre grandes comércios e grandes fábricas
  • Intensifica-se o crescimento demográfico
  • A produção e distribuição de bens e de informação passam a ser em massa

Economia e produção

Segundo Alvin Toffler, aparece um "cunho invisível" na sociedade, que a divide entre produtores e consumidores. Enormes fábricas dedicavam-se a fabricar bens para consumidores inconscientes dos mecanismos de obtenção do produto.
A produção é em massa e em série.
A unidade económica da Segunda Vaga é a corporação: enormes organizações com grandes quantidades de capital para investir nas indústrias e comércio.

Sociedade

A modificação do esquema produtivo gerou a necessidade de criar novas estruturas sociais:
  • Trabalho por jornada: o conceito de sincronização leva a gerar um trabalho por jornada horária, cujo centro físico passou a ser a indústria e tudo o que dependa dela. Nasce a inter-dependencia, o esforço colectivo e a divisão do trabalho onde os operários apenas participam numa pequena facção do produto
  • Família nuclear: Este tipo de família surge fruto das necessidades que exige esta sociedade. A família extensa antiga era demasiado rígida. Deu-se a necessidade de eliminar os parentes que não fossem essenciais à sobrevivência, para conseguir um grupo com mais facilidade de deslocação de uma cidade a outra. Neste tipo de família, um conjuge (geralmente a mãe) é o núcleo do lar. O outro conjuge (geralmente o pai) trabalha fora do mesmo. A composição de família nuclear idealizada pelo industrialismo é: pai - mãe - 2 filhos.
  • Educação: ao igual que a produção, a educação foi separada da vida familiar dando lugar ao surgimento de escolas e de programas uniformes. Com a educação escolar impunham-se também estruturas próprias da vida industrial: pontualidade, obediência e trabalho repetitivo.

Em todos os aspectos da sociedade se apresentavam as mesmas características:
  • Uniformização: Para o mesmo fim utilizavam-se os mesmos procedimentos. Estabeleceu-se um sistema de leis e regulamentos que actuavam por igual para todas as pessoas. Nasceram os standards, os formulários, os programas de educação, etc
  • Sincronização: Começou-se a utilizar o horário como esquema de organização. Entradas e saídas do trabalho ou escola a uma hora determinada e produção sincronizada com outra produção dependente dela.
  • Massificação: A produção em série aumentou a capacidade de gerar bens, que se produziam a grande escala de maneira uniforme. Assim, uma empresa fazia bolachas para todo um país; enquanto jornal dava as notícias a um país inteiro, informando milhões.
  • Centralização: geraram-se grandes centros urbanos que concentravam toda a produção e quase toda a população.

Na Revolução Industrial no século XVII impôs-se o cunho invisível, como diz Toffler, no intuito de construir uma sociedade industrial, que tanto foi implementada pela Direita conservadora como pela Esquerda socialista na ex URSS.
Na segunda vaga os Estados tornam-se laicos, disseminou-se a democracia, as repúblicas e o sufrágio universal. A nova filosofia já não valoriza o indivíduo pelo seu nascimento mas sim pelo que pode produzir e pela sua eficiência. Propaga-se o ensino gratuito, universal e em particular profissionalizante.

Comunicações

A dinâmica de comunicação da Segunda Vaga é a comunicação um para vários. Com a invenção da imprensa surge o jornal e depois, os meios de comunicação de massas (também mass média). A rádio e mais tarde a televisão terminam por configurar o conceito. Neste período um, ou uns poucos jornalistas publicavam a informação que consumiriam milhares ou milhões de pessoas. Segundo o autor, não é casualidade que, ao igual que a produção, a informação esteja massificada.

Energia


A energia da Segunda Vaga depende de fontes não renováveis, geralmente de origem mineral como é o carvão, o petróleo e a energia nuclear.

Terceira Vaga


As mudanças que o mundo está a viver nos últimos 40 anos, que têm sido catalogados em muitos casos de "desmoralizadores", na realidade só rompem paradigmas que a segunda vaga nos impôs. E anunciam que a terceira vaga já chegou e estamos a cada vez mais submersos nela.
Caracterizam à terceira vaga a desarticulação e estruturas da Segunda Vaga, a saber:
  • Descentralização
  • "Desmassificação"
  • Personalização
Economia e produção da Terceira Vaga

A produção em série será complementada com a produção em séries curtas. A produção já não se dedica a fazer dezenas de milhares de unidades de um único produto, mas centenas de unidades de centenas de produtos. Assim encontraremos produtos cada vez mais personalizados. Na Terceira Vaga fundamentalmente amplificar-se-à a força mental do ser humano. Os sistemas cibernéticos, computadores, sistemas de comunicação, internet, etc. funcionarão como amplificadores da força mental. Exemplo: podem-se criar programas de computação que são capazes de criar outros programas. Um paralogismo da Segunda Vaga seria o torno, já que foi uma ferramenta que pôde criar outras ferramentas.

Sociedade da Terceira Vaga


A família nuclear cede o seu lugar a infinidade de tipos de famílias. Famílias mono-parentais, individuais, convivência estável entre amigos, convivência entre pessoas do sexo oposto com ou sem relações sexuais, famílias tipo: filho - mãe - avó e/ou filho - mãe - tia, etc.
Nasce a cultura "sem filhos".
O trabalho infantil deixará de ser castigado para passar a ser estimulado. Segundo o autor, homenzitos de 14 anos estarão melhor qualificados para vender computadores que muitos adultos.
Um dos males a combater na Terceira Vaga é a solidão. Isso devido à falta de estrutura que havia na Segunda Vaga e à falta de necessidade de se relacionar.

Comunicações da Terceira Vaga

A dinâmica de comunicação da Terceira Vaga é a comunicação de vários para vários. Como a produção, os meios vão-se "desmassificando". Uma infinidade de revistas especializadas em temas específicos, numerosos canais de televisão por cabo e satélite, a capacidade dos computadores de comunicar; fazem com que a comunicação seja personalizada, e com que o consumidor já não se limite a aceitar "tal e qual vem". Agora o espectador pode intervir nos diários que lê e nos programas de televisão a que assiste.

Entretanto e durante a minha pesquisa vi esta notícia sobre Heidi e Alvin Toffler:

Alvin e Heidi Toffler
Toffler alerta para «mudanças caóticas» no Mundo

O investigador e futurista norte-americano Alvin Toffler alertou hoje para as “mudanças caóticas no mundo” ao falar sobre “um novo contexto estranho”, na conferência “Bioeconomia: a 4/a Vaga”, realizada na Reitoria da Universidade de Lisboa.

Acompanhado pela mulher Heidi, sua “cara-metade” em todo o trajecto profissional, Toffler, 79 anos (agora com 83 anos), começou por alertar - na abertura do III Congresso da Ordem dos Biólogos - para a “mudança da existência humana” decorrente do paradigma em que a biologia se imiscui na tecnologia.
"A solidão é agora tão difundida que se tornou paradoxalmente uma experiência compartilhada." Alvin Toffler

“O emprego é o resultado líquido de muitas políticas convergentes.” Alvin Toffler
Entretanto aqui está a confirmação do livro de Alvin e Heidi Toffler de 1980, A Terceira Vaga:

"Enquanto a Europa definha e empobrece, a China segue em frente, apresentando-se como a potência para a qual, tudo indica, dentro dos próximos 20 anos se verificará uma tranferência total (ou quase) do centro de gravidade económico e financeiro." por Milam do blogue A Insustentável Beleza dos Seres



Fontes:
Guerra silenciosa , Ciencia hoje , Tsf

Postagens mais antigas Página inicial
Curta-nos no Facebook Siga-nos no Twitter Assine os Feeds Entre em contato